Google+ Badge

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Preço do pescado dispara e aumentos devem continuar

O preço do pescado continua elevado, com valores que superam a inflação. Nos levantamentos feitos durante o ano passado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese/PA), foi comprovado que ocorreram altas sucessivas e abusivas nas mais variadas espécies de peixes consumidos em Belém e região metropolitana. O mês de janeiro de 2016 não teve diferença em relação aos preços praticados por supermercados, mercados e feiras livres, onde foram pesquisados 38 tipos de pescados, além de camarão regional e caranguejo, que também tiveram preços disparados.
Assim, em janeiro deste ano, os maiores reajustes ocorreram nos preços do surubim, com alta de 28,65%; filhote, alta de 28,03%; camurim, 23,78%; pescada gó, 20,17%; dourada, 17,53%; piramutaba, 15,22%; bagre, 14,10%; corvina, 13,77%; pescada amarela, 13,72%; tucunaré, 13,20%; gurijuba, 12,07%; mapará, 11,05%; traíra, 9,09%; pescada branca, 6,45%; pratiqueira, 5,02%; cachorrinho de padre, de 3,94%; tambaqui, 3,50%; tainha, 3,17% e serra, com alta de 2,61%. Também no mesmo período, poucas espécies de pescado apresentaram recuo de preços. Os maiores destaques ficam por conta do Tamuatá, que teve queda de 4,33%, seguido da curimatã, queda de 3,64%; pacu, 3,05%; xaréu 2,03% e aracu, com queda de 1,95%. (Pararijos NEWS)