Google+ Badge

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Praia é lugar de muito trabalho para o Leão

Praia é lugar de muito trabalho para o Leão (Foto: Daniel Costa)
Azulinos treinaram a parte física em Outeiro; tudo para ficar na ponta dos cascos para a estreia (Foto: Daniel Costa)
O treino realizado, ontem à tarde, pelo elenco do Remo na ilha do Outeiro, única movimentação da programação de atividades do grupo para o dia, atraiu um bom número de torcedores do Leão. A maioria deles banhistas que se encontravam no local. A movimentação foi comandada pelo preparador Róbson Melo, auxiliado por Raimundo dos Santos, o outro preparador do clube, e Agnaldo de Jesus, auxiliar do técnico Leston Júnior, que não acompanhou o elenco. Também estiveram ausentes o zagueiro Tsunami, o zagueiro Max, o meia Eduardo Ramos e o atacante Ciro, que ficaram no Baenão em tratamento no departamento médico.
A atividade praiana teve como principal objetivo melhorar a explosão e o reforço muscular dos atletas, que serão bastante exigidos no primeiro semestre da temporada, quando terão de encarar gramados pesados devido o período chuvoso de Belém. Durante o treino, Róbson, aos gritos, exigiu o máximo de seus comandados em circuitos variados. Embora não tenha tido uma longa duração, o treino foi bastante forte, conforme admitiu o volante Yuri. “Foi legal só para quem estava vendo. Para quem estava ali dentro, trabalhando, foi bastante puxado, exigindo um grande desgaste do grupo”, declarou.
O atacante Welthon foi outro que ressaltou o esforço exigido dos atletas “Essa é a parte mais dura, mas o mais importante para o nosso trabalho”, observou. “É necessário para que a gente consiga correr bem nos jogos”, completou. O jogador ressaltou o apoio dos torcedores que puderam ficar bem próximos ao espaço onde os atletas se movimentavam. “Foi bom sentir esse carinho do torcedor. Quem vive no futebol sabe o quanto é importante ter esse apoio. Isso nos dá um ânimo muito grande”, comentou o jogador, que revelou ser um frequentador do Outeiro, sempre que tem folga. “A gente que é da terra procura aproveitar as coisas boas que temos aqui”, arrematou.
(Pararijos NEWS/Nildo Lima/Diário do Pará)