Google+ Badge

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Mulher foi mordida pelo próprio cachorro, no quintal da casa da irmã, no bairro da Terra Firme

O corpo de Iracy Andrade da Rocha, de 70 anos, só foi removido da casa por volta das 10h. Não há detalhes da morte dela.O corpo de Iracy Andrade da Rocha, de 70 anos, só foi removido da casa por volta das 10h. Não há detalhes da morte dela.
Iracy Andrade da Rocha, de 70 anos, tinha o costume de acordar cedo e ir até a casa da irmã, que mora no imóvel ao lado, para alimentar o cão de grande porte, um fila com pastor alemão. Por volta das 6h de ontem, quando a irmã da idosa acordou, se assustou ao encontrar Iracy morta, toda ensanguentada, no quintal. Desesperada, a mulher pediu ajuda aos demais parentes e aos vizinhos. Não se sabe se a idosa passou mal e, ao cair, foi atacada pelo cachorro, ou se ele estranhou e mordeu a dona ao receber alimento. Policiais militares que entraram na casa informaram que os parentes estavam muito nervosos e não tinham detalhes do ocorrido.
Em frente à casa da vítima, na passagem 2 de Junho, no bairro da Terra Firme, em Belém, parentes e vizinhos estavam desesperados. “Ela era uma mulher cheia de saúde, quase todo dia ela vendia lanche aqui na frente da casa dela e também em uma escola daqui das proximidades”, disse a vizinha Regiane Silva.
Regiane, que mora atrás da residência da idosa, disse que durante a madrugada de ontem o cachorro se mostrou muito inquieto e latiu bastante. Por volta das 5h, Iracy acordou e passou para a casa da irmã para alimentar o cão, como fazia diariamente. “Quando a irmã dela acordou, viu a dona Iracy morta e começou o desespero”, acrescentou a vizinha. O marido da idosa havia acabado de sair para fazer uma caminhada.
O cachorro convive com a família desde filhote e apenas nessa fase ele mordeu o braço do marido de Iracy. Depois disso, o cão não demonstrou mais agressividade. Os filhos de Iracy queriam doar o animal, já que a casa era habitada predominantemente por idosos. A família chegou a entrar em contato com o Centro de Zoonoses e o Corpo de Bombeiros, mas não conseguiu informações sobre como fazer a doação. O cão permanece preso e a família ainda quer doá-lo.
O corpo da idosa só foi removido da casa pela equipe do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves por volta das 10h.  (Pararijos NEWS)