Google+ Badge

domingo, 17 de janeiro de 2016

Mulher é enterrada no quintal


O corpo de uma mulher foi encontrado, na manhã de ontem, enterrado no quintal de uma casa localizada no conjunto Olga Benário, no bairro de Águas Lindas, em Ananindeua. A vítima foi identificada como Elaine Cristina Teixeira Dantas, de 39 anos, que estava desaparecida desde quarta-feira (13). O responsável pelo crime é João Carlos Souza da Conceição, de 29 anos, que tinha um envolvimento amoroso com Elaine. A polícia ainda investiga o motivo do assassinato, uma vez que até a tarde de sábado o sistema da polícia estava com problema e faltava tomar o depoimento do homicida.
O cadáver estava enterrado no quintal da residência da mãe de João. Foi ela quem denunciou o homicídio à Polícia Militar. A mulher estranhou o cheiro forte que estava vindo do quintal e questionou o filho. João confessou para a mãe que asfixiou Elaine e enterrou o corpo no quintal. Desesperada, a mãe dele procurou a polícia e fez a denúncia. “Eu não ia poder viver assim. O cheiro estava muito forte e eu desconfiei. Não sabia que meu filho tinha um relacionamento com essa mulher, ele vive com outra pessoa. Eu estou muito triste e envergonhada pela vergonha que ele me fez passar”, comentou a mãe do criminoso, que preferiu não se identificar.
Parentes de Elaine foram até o local e contaram que ela estava desaparecida desde quarta-feira (13). Ela morava no distrito de Mosqueiro, onde trabalhava como comerciante, era casada e tinha três filhos. Segundo os familiares, Elaine veio para Belém na quarta-feira, na companhia de duas filhas, para comprar um ventilador e roupas. Ela deixou as meninas na casa da mãe, que mora na Cremação, e depois sumiu.
Os parentes comunicaram o desaparecimento da vítima à polícia e conseguiram recuperar as últimas ligações que Elaine fez pelo celular. O número de telefone era de João Carlos, que começou a ajudar a família nas buscas. “Ninguém desconfiava que ela estaria morta, muito menos que João seria o acusado. Descobrimos o número e ligamos para ele. Meu primo estava vindo para Águas Lindas porque ele disse que poderia realizar as buscas. Quando ele chegou, deu de cara com a polícia e a informação de que Elaine estava enterrada no quintal. Ainda bem que ele veio na hora que a polícia estava aqui, porque João poderia ter matado ele. Estamos muito assustados com tudo isso”, comentou Dario Abreu, primo da vítima.
“Ela era x-9. Falou o que não devia e morreu”, diz assassino
De acordo com informações do delegado Lenoir Cunha, da Divisão de Homicídios, uma amiga de Elaine Cristina Teixeira Dantas foi fundamental para a resolução do crime, pois após o desaparecimento da comerciante ela procurou os familiares da amiga e disse que Elaine estava tendo dois relacionamentos fora do casamento. “Além de João Carlos, Elaine teria se relacionado com o porteiro de um prédio. Inclusive, a esposa desse porteiro chegou a descobrir a traição do marido. A partir dessas informações foi mais fácil para a polícia identificar o crime”, disse o delegado.
João Carlos Souza da Conceição contou para a polícia que matou Elaine porque ela o denunciou para alguém, mas ele não disse quem. “Ela era x-9. Falou o que não devia e morreu. Eu tive ajuda de alguém, mas não vou dizer quem foi porque não sou x-9”, comentou o assassino.
Para desenterrar o cadáver, os peritos precisaram acionar o Corpo de Bombeiros. A cova era rasa, mas foi necessário um trabalho meticuloso para não destruir o corpo de Elaine, que estava em avançado estado de decomposição. Na cova a polícia encontrou a roupa e a bolsa da vítima. Somente a necropsia apontará como ocorreu a morte.
João Carlos foi preso e encaminhado para a Divisão de Homicídios. Ele prestaria depoimento e seria autuado por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. (Pararijos NEWS)