Google+ Badge

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Exército e Marinha combaterão o Aedes

Exército e Marinha combaterão o Aedes (Foto: Elcimar Neves/Diário do Pará)
Atuação das forças armadas foi detalhada em entrevista coletiva. (Foto: Elcimar Neves/Diário do Pará)
A partir da próxima segunda–feira, Exército e Marinha serão os novos combatentes, no Pará, do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika vírus e chikungunya. As forças armadas se uniram com os agentes comunitários e de endemias para realizar a “Operação Norte Unida”. A ação reforçará a dedetização nas casas e áreas abertas até junho deste ano.

Serão cerca de 600 militares, entre homens e mulheres, que acompanharão os agentes estaduais e municipais nas residências. Eles estarão capacitados e distribuídos na Região Metropolitana de Belém (RMB) e outros 30 municípios próximos das bases do Exércitos. Em Belém, a ação deve contar com 100 militares atuando nos bairros do Guamá, Jurunas, Marco, Pedreira e Marambaia, na companhia de 833 agentes. Em Ananindeua, serão 100 militares e, em Marabá, 200. Outros 300 atuarão em cidades como Santarém, Itaituba, Altamira, Tucuruí e proximidades. No total, são 8.000 agentes de endemias e 12.000 agentes comunitários. A Marinha deve colaborar com 50 homens em Marituba. A Aeronáutica também deverá reforçar o combate ao mosquito.

REFORÇO

“O nosso soldado vai entrar no domicílio, com a ciência dos moradores, para agir no combate ao mosquito. Estamos prontos para agir em apoio aos órgãos governamentais”, afirma o coronel Brayner, chefe da Coordenação de Operações do Comando Militar Norte. De acordo com o gestor da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), Vitor Mateus, os produtos necessários já foram adquiridos como insumos de inseticidas, bombas para o fumacê e carros. “Todas as ações que envolvem as Forças Armadas em campo têm dado resultados positivos contra o vetor”. Segundo o secretário, os trabalhos de reforço já se iniciaram em Santarém e Itaituba.

(Michelle Daniel/Diário do Pará/Pararijos NEWS)