Google+ Badge

sábado, 28 de novembro de 2015

BELO MONTE: Andrade Gutierrez pagou propina para liderar consórcio no Pará

  Otávio Azevedo aceitou fazer delação premiada Otávio Azevedo aceitou fazer delação premiada
A Andrade Gutierrez aceitou pagar R$ 1 bilhão de multa como compensação por prejuízos decorrentes de corrupção em contratos com o governo, valor acertado depois de longa negociação entre advogados da empresa e integrantes da força-tarefa da Lava-Jato e a Procuradoria-Geral da República. A multa é a maior já acertada. O acordo inclui ainda a admissão de pagamento de propina e formação de cartel não apenas na Petrobras, mas também em obras de estádios da Copa do Mundo, em Belo Monte, em Altamira, sudoeste do Pará, na ferrovia Norte-Sul e na usina nuclear de Angra 3. Numa outra frente, onze executivos da empresa, incluindo o presidente Otávio Azevedo, farão delação premiada. As informações são da Agência O Globo.
O acordo ainda deverá ser homologado pelo juiz da 13ª Vara Federal em Curitiba, Sérgio Moro — que cuida dos processos relacionados à corrupção na Petrobras — e pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki — que cuida dos processos com menção a políticos que receberam propina. Se o acordo for confirmado pela Justiça, Azevedo e os executivos Elton Negrão e Flávio Barra, presos desde junho deste ano, poderão ser soltos nas próximas semanas, antes do Natal, com tornozeleiras eletrônicas.
Os três já foram transferidos nesta semana do Complexo Penal dos Pinhais para a carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, para facilitar os depoimentos. Contratada pela Petrobras entre 2004 e 2014 para realizar uma série de obras que custaram R$ 7,2 bilhões, a Andrade Gutierrez é acusada de realizar pagamentos indevidos estimados pela PF entre R$ 216,1 milhões (cálculo conservador) e R$ 1,4 bilhão (cálculo máximo), em função de irregularidades identificadas por órgãos de controle e no curso das investigações da Lava-Jato. A maior parte da propina foi paga por meio de consultorias de fachada ou empresas subcontratadas.  (Pararijos NEWS)

Site publica fotos de primeira aparição pública de Ronda Rousey pós-UFC 193


Aos poucos, Ronda Rousey vai retomando o ritmo de sua vida normal. Durante o feriado de Dia de Ação de Graças, na quinta-feira, e na sexta, a ex-campeã dos pesos-galos do UFC voltou a sair na rua em Los Angeles junto ao namorado, o também lutador Travis Browne, e uma criança duas semanas após sua derrota para Holly Holm no UFC 193. Os paparazzi também voltaram a acompanhá-la, e o site especializado em celebridades "TMZ" publicou uma galeria com cliques do casal caminhando com um pitbull e uma criança, e um vídeo. Rousey aparece "largada", de óculos escuros, casaco, calça cumprida e chinelo. (Pararijos NEWS)
Ronda Rousey TMZ

Joelma pode posar nua


Thábata Mendes, nova vocalista da banda XCalypso pode ter despertado interesse da revista “Sexy”, mas a vocalista original da banda, Joelma, também é cobiçada pela publicação masculina. Segundo o site “Ego”, ela foi convidada para estampar a capa da publicação e vai conversar com a direção da revista nas próximas semanas, em São Paulo. A informação foi confirmada pelo diretor de redação da “Sexy”, Henrique Rossi.
“No início da semana, surgiu a notícia de que estavámos de olho na nova cantora do Calypso e até achamos ela interessante, mesmo. Mas pensamos: Por que não convidarmos a própria Joelma?”. Segundo Rossi, no entanto, ainda não tem nada definido. “Está tudo muito cru. Ligamos para a produtora dela nessa semana, mas ainda não tivemos nenhum tipo de resposta afirmativa ou negativa. Seria muito interessante, porque ela nunca fez nu e desperta interesse das pessoas”, afirmou ele.
Joelma já integrou por alguns anos a lista das cem mulheres mais sexy do mundo, numa eleição feita pela da revista “VIP”, mas por ser evangélica, ela deve recusar o convite. (Pararijos NEWS)

Aécio tem 31%, Lula, 22% e Marina, 21%, diz pesquisa Datafolha

Pesquisa Datafolha divulgada neste sábado (28) pelo jornal "Folha de S. Paulo" mostra os seguintes percentuais de intenção de voto em duas simulações da corrida presidencial:

Cenário 1
Aécio Neves (PSDB): 31%
Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 22%
Marina Silva (Rede): 21%
Luciana Genro (PSOL): 3%
Eduardo Paes (PMDB): 2%
Eduardo Jorge (PV): 2%
Branco/nenhum: 15%
Não sabe: 5%
Cenário 2
Marina Silva (Rede): 28%
Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 22%
Geraldo Alckmin (PSDB): 18%
Luciana Genro (PSOL): 3%
Eduardo Jorge (PV): 3%
Eduardo Paes (PMDB): 2%
Branco/nenhum: 17%
Não sabe: 6%
O Datafolha fez 3.541 entrevistas em 185 cidades na quarta-feira (25) e na quinta (26).
A margem de erro do levantamento é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.
Estes dois cenários já haviam sido pesquisados pelo instituto no primeiro semestre, e os resultados foram divulgados em 21 de junho.
Na pesquisa realizada em novembro, foram levantados dados de outros dois cenários:
Cenário 3
Aécio Neves (PSDB): 31%
Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 22%
Marina Silva (Rede): 21%
Luciana Genro (PSOL): 3%
Eduardo Jorge (PV): 2%
Michel Temer (PMDB): 2%
Branco/nenhum: 15%
Não sabe: 4%
Cenário 4
Marina Silva (Rede): 28%
Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 22%
Geraldo Alckmin (PSDB): 18%
Luciana Genro (PSOL): 4%
Eduardo Jorge (PV): 3%
Michel Temer (PMDB): 2%
Branco/nenhum: 18%
Não sabe: 6%
Os entrevistados também deram sua intenção de voto em cinco cenários do segundo turno:
Segundo turno: cenário 1
Aécio Neves (PSDB): 51%
Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 32%
Segundo turno: cenário 2
Geraldo Alckmin (PSDB): 45%
Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 34%
Segundo turno: cenário 3
Marina Silva (Rede): 52%
Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 31%
Segundo turno: cenário 4
Aécio Neves (PSDB): 42%
Marina Silva (Rede): 41%
Segundo turno: cenário 5
Marina Silva (Rede): 49%
Geraldo Alckmin (PSDB): 33%
A pesquisa também perguntou aos entrevistados sobre outros assuntos:
Rejeição
Luiz Inácio Lula da Silva (PT): 47%
Aécio Neves (PSDB): 24%
Michel Temer (PMDB): 22%
Marina Silva (Rede): 17%
Geraldo Alckmin (PSDB): 17%

(Pararijos NEWS)

Sub-15 garante sexto título seguido da base

Sub-15 garante sexto título seguido da base (Foto: Divulgação / Paysandu)
A equipe Sub-15 conquistou o sexto título consecutivo da base do basquete bicolor. (Foto: Divulgação / Paysandu)
Invictas, as categorias de base de basquete do Paysandu seguem conquistando títulos. Sob o comando do técnico Jonathas Zamorim, foi a vez da categoria Sub-15 bicolor levar mais um título para casa.
“Esta conquista do Sub-15 foi a mais importante entre todas as categorias que ganhamos, não desmerecendo as outras. Isso porque nós perdemos no início do ano e viemos em um crescimento muito forte, ocasionando a oportunidade de conquistar esse título que vale muito para mim e para o basquete do Paysandu”, afirmou o treinador bicolor.
O técnico afirmou ainda, que os títulos conquistados pelas divisões de base de basquete do Papão mostram a força do trabalho desenvolvido nas categorias.
“Essas vitórias de seis títulos das sete categorias podem falar por si só, que é um trabalho sério, que está no caminho certo. A conquista foi tão importante quanto as demais categorias, a superação e o sacrifício foram compensados”, acrescentou.  (DOL/Pararijos NEWS)

Prefeita de Marapanim é cassada

Prefeita de Marapanim é cassada (Foto: Divulgação)
Irregularidades da gestão de Elza Rebelo constam em relatórios do Tribunal de Contas e da AGU. (Foto: Divulgação)
A agora ex-prefeita de Marapanim Elza Edilene Rebelo de Moraes (PR) teve seu mandato cassado por 10 dos 11 vereadores durante sessão realizada ontem na Câmara dos Vereadores do município. Elza Edilene está com os direitos políticos suspensos por 5 anos, período em que fica inelegível, impedida de disputar qualquer cargo político.
Foram lidos os relatórios de duas comissões instauradas para apurar as irregularidades em licitações para coleta de lixo, contratação superfaturada de escritório para prestação de serviços jurídicos e de empresa para transporte escolar, o que já tinham provocado o afastamento da prefeita cassada por 90 dias no último dia 4/09. Elza Edilene não compareceu às sessões. Segundo a vereadora Inês Rosa, presidente da Câmara Municipal de Marapanim e que comandou as sessões, a gestão de Elza Edilene cometeu várias irregularidades transformando o município num caos. 
“Durante 2 anos a prefeita cassada impediu fiscalização e não obedeceu a nenhuma convocação para prestar esclarecimentos”, declarou Inês. As denúncias foram apresentadas à Câmara por dois moradores de Marapanim e constam do relatório de fiscalização realizada pela Controladoria Geral da União (CGU) realizada no município no ano passado. As irregularidades da atual gestão em Marapanim também constam e relatório de fiscalização feito pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). 

COLETA
A denúncia mostra que, após concorrência pública, Elza Edilene assinou em 2013 contrato com a empresa R.M. Saba Serviços de Sinalização Eirelli EPP para serviços de coleta de lixo urbano em Marapanim. Ocorre que o processo licitatório não foi encaminhado para análise no TCM e nem ao Ministério Público quando solicitado. Além de não apresentar o processo à Câmara de Marapanim, a prefeita impediu a fiscalização dos livros de registro de pagamentos de obras e serviços. Elza Edilene também é acusada de fraudar licitações e fazer pagamentos superiores aos contratados.
DENÚNCIAS
Outro fato grave apontado no documento: a coleta, apesar de contratada por suposta licitação, é realizada pela prefeitura através dos servidores próprios. A fraude na licitação, segundo a denúncia, “aponta claramente para simulação e pagamento feito à empresa R.M. Saba EPP por serviços executados pela própria prefeitura”. O combustível e as peças do maquinário também seriam custeados pela prefeitura, tudo em evidente prejuízo aos cofres públicos e em favorecimento indevido da representada.

(Luiz Flávio/Diário do Pará/Pararijos NEWS)

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Romário se contradiz sobre conta na Suíça

por


RIO — O senador Romário (PSB-RJ) caiu em contradição ao explicar a suposta existência de uma conta no banco suíço BSI. Em entrevista ao GLOBO, publicada nesta sexta-feira, ele afirmou que já foi correntista quando atuou por clubes europeus, entre o fim dos anos 1980 e meados dos anos 1990. Em uma publicação no Facebook, no dia 31 de julho, Romário disse que o banco havia admitido que ele “nunca tivera vínculo com a instituição”. O documento divulgado pelo BSI na ocasião atesta que uma conta citada pela revista “Veja”, em julho, não era sua naquele momento. O BSI não especificou, no entanto, se o senador já fora correntista em outra época. Ao GLOBO, o senador negou que atualmente seja titular de conta no BSI. Em resposta a um comentário no Facebook, o senador afirmou que deseja que o Ministério Público suíço envie “todo o histórico”.

Nesta manhã, Romário solicitou à Procuradoria-Geral da República (PGR) que peça ao Ministrio Público da Suíça a abertura de uma investigação para apurar se a suposta conta em seu nome no BSI existe ou já existiu algum dia. No ofício, o senador pede ainda que seja averiguado se já houve alguma movimentação na conta citada. A existência de uma suposta conta, ainda em atividade e com saldo equivalente a R$ 7,5 milhões, foi revelada em julho pela revista “Veja”. Após o episódio, o senador foi à Suíça e ironzou a situação, se dizendo "chateado" por não ser o dono da conta.
O assunto voltou à tona após a divulgação do aúdio da conversa envolvendo o senador Delcídio Amaral (PT-MS), preso na quarta-feira, e o advogado Edson Ribeiro, detido nesta manhã ao desembarcar no Aeroporto Galeão, no Rio. Na conversa, a existência da suposta conta é citada e há a insinuação de que o encerramento dela estaria relacionado a um acordo para Romário apoiar o candidato de Eduardo Paes (PMDB) à sua sucessão na prefeitura do Rio, o secretário municipal de Coordenação de Governo, Pedro Paulo (PMDB). Um dos sócios do Banco BTG Pactual, dono do BSI, é Guilherme Paes, irmão do prefeito. Paes, Delcídio, Romário, Pedro Paulo e o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES) se reuniram no dia 4 de novmebro para tratar de um projeto de lei sobre a securitização das dívidas de estados e municípios.
O senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), o prefeito Eduardo Paes, o senador Delcídio Amaral (PT-MS), o senador Romário (PSB-RJ) e o secretário de Coordenação de Governo da prefeitura do Rio, Pedro Paulo - Divulgação / Divulgação

“Em atenção ao acordo de cooperação firmado com a Suíça, bem assim, em face dos últimos acontecimentos noticiados pela imprensa nacional e internacional, em que fui envolvido em conversa do Senador Delcídio Amaral com o Sr. Bernardo Cerveró e seu advogado, Dr. Edson Ribeiro, como partícipe de um suposto esquema de favorecimento, alinhavado com o Prefeito do Município do Rio de Janeiro, Sr. Eduardo Paes, para “livrar-me” de suposta ocultação de recursos havidos junto ao Banco Suíço BSI e não declarados ao FISCO, em troca de apoio político ao futuro candidato do Partido do Movimento Democrático Brasileiro – PMDB ao Palácio da Guanabara, Sr. Pedro Paulo, para solicitar-lhe seja oficiado ao Ministério Público Suíço para instaure procedimento investigatório, a fim de apurar se a suposta conta bancária apontada pela revista VEJA, como sendo de minha titularidade do BSI, realmente existe e, ainda, se algum existiu, assim como se já houve qualquer movimentação na malsinada conta bancária”, diz o ofício, protocolado às 9h desta sexta-feira.
Em outro trecho do requerimento, Romário aponta um “resquício de suposta fraude” para favorecê-lo.
“Eis que, inobstante a declaração outrora apresentada pelo BSI, há resquício de suposta fraude para favorecer-me, a qual merece ser apurada como nova resposta a todos os cidadãos brasileiros, em especial os cariocas e fluminenses que a mim confiaram o seu voto”, encerra. (Pararijos NEWS)

Governo deverá cortar ainda mais despesas e serviços podem ser afetados

Dilma pode anunciar decreto orçamentário na segunda-feira (30). (Reuters)Dilma pode anunciar decreto orçamentário na segunda-feira (30). (Reuters)
Com pouco mais de um mês para o fim do ano, a gestão Dilma Rousseff poderá realizar mais cortes orçamentários "naquilo que for possível" para atender o Tribunal de Contas de União (TCU), afirmou na última quinta-feira (26) o secretário do Tesouro, Marcelo Saintive.
Em entrevista à Folha de S. Paulo, Saintive afirmou que os cortes poderão afetar serviços públicos e serão "passíveis de questionamentos jurídicos". O valor é estimado em até R$ 105 bilhões.

O governo caminha para fechar 2015 com déficit em suas contas, uma vez que o Congresso ainda não aprovou a mudança na meta fiscal. Ela prevê oficialmente uma economia de R$ 55,3 bilhões para abatimento da dívida pública. O déficit fiscal, porém, acabou acumulado em R$ 33 bilhões neste cenário (até o mês de outubro).
Preocupada com o clima em Brasília principalmente após a prisão do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), esta semana, a presidente cancelou viagens ao Japão e ao Vietnã. Segundo a publicação, Dilma deverá anunciar alguma medida até o fim desta sexta (27); um bloqueio de R$ 10 bilhões para acalmar os questionamentos do TCU.
Ministro da Fazenda, Joaquim Levy pediu recentemente um 'pacto com o legislativo'. (AFP)Ministro da Fazenda, Joaquim Levy pediu recentemente um 'pacto com o legislativo'. (AFP) Sem o aval do Congresso, o Tribunal recomenda à presidência que suas despesas sejam ainda mais ajustadas. Até segunda-feira (30), um decreto de reorganização orçamentária deverá ser publicado por Dilma.
"Essa é uma discussão que também é, em certa medida, fortemente jurídica, mas o governo trabalha sim com a hipótese possível de fazer um contingenciamento para [atender] a recomendação da nossa corte de contas", afirmou o secretário. Por outro lado, ele classificou como "não razoável" a necessidade de mais cortes, uma vez que esse ano o país já reduziu em 1,22% o PIB. 
"Seguindo a determinação do TCU, a gente deve publicar o decreto na segunda-feira, mas é sempre passível de questionamentos jurídicos. Ao fazer um novo contingenciamento, isso certamente prejudica a prestação dos serviços do Estado, os investimentos em infraestrutura. Tudo isso tem que ser levado em conta e certamente a gente entende que o tribunal de contas também é sensível em relação a isso", concluiu Saintive. (Pararijos NEWS )

Delcídio interrompeu depoimento à PF após saber de críticas de Lula

O líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS), se "descontrolou completamente" ao ser informado que o ex-presidente Lula o havia criticado na tarde desta quinta-feira (26), segundo relatos repassados à GloboNews. A declaração de Lula foi mostrada a Delcídio durante o depoimento do senador para a Polícia Federal (PF) na superintendência da corporação em Brasília, onde o parlamentar está preso.
De acordo com os jornais "Folha de S. Paulo" e "Estado de S. Paulo", Lula havia afirmado, em almoço na sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT), que o senador fez uma "coisa de imbecil", em referências às acusações de que Delcídio estava atrapalhando os trabalhos da Operação Lava Jato.
Segundo os jornais, Lula se disse perplexo com a "grande burrada" cometida por Delcídio. O Instituto Lula negou via assessoria de imprensa que o ex-presidente tenha dado as declarações.
No relato passado à GloboNews, assim que mostraram as declarações de Lula, Delcídio se "descontrolou completamente" e o advogado do senador teve que interferir, o que suspendeu o depoimento.
De acordo com relatos, por esse motivo, Delcídio não chegou a ser questionado sobre o trecho da gravação telefônica em que sugere para o filho de Nestor Cerveró uma fuga do  ex-diretor da Petrobras para a Espanha via Paraguai. A gravação serviu de base para a Procuradoria-Geral da República pedir a prisão do senador.
Procurado pelo G1, o advogado de Delcídio do Amaral, Maurício Leite, disse que estava em uma reunião e que retornaria às ligações. O G1 aguardava resposta até a última atualização desta reportagem. (Pararijos NEWS)

Joelma recebe convite para posar nua na revista ‘Sexy’

Joelma nunca posou nua na vida e despertou o interesse da revista (Divulgação)
Pouco tempo depois de se separar de Chimbinha, Joelma foi covidada para posar nua e estampar a capa da revista ‘Sexy’, conforme confirmou o diretor de redação da revista Henrique Rossi ao ‘Ego’. “No início da semana, surgiu a notícia de que estavámos de olho na nova cantora do Calypso e até achamos ela interessante, mesmo. Mas pensamos: Por que não convidarmos a própria Joelma?”, contou ele.
Joelma - que nunca posou nua - já fez parte da lista das cem mulheres mais sexy do mundo, eleitas pelos leitores da revista 'VIP’, durante alguns anos, mas recusou o convite da revista, apesar de ter ficado lisonjeada.

“Embora eu esteja lisonjeada com o convite, não posso aceitá-lo. Eu possuo entre os meus fãs um número significativo de crianças e, além disso, eu entendo que nesse momento um trabalho dessa natureza desviaria o foco dos meus objetivos atuais e da minha carreira solo”, informou Joelma através de sua assessoria de imprensa. (Pararijos NEWS)

Vice da CBF cita eventual esquema para livrar Vasco do rebaixamento


Além da suposição, Delfim também reclamou da falta de preocupação com as equipes de Santa Catarina. “O Criciúma caiu ano passado, estava caindo aos poucos, e ninguém ficou preocupado. Esse ano o Joinville caiu, inclusive jogando contra o Vasco... A marmelada que o senhor do Vasco lá disse, que os catarinenses estavam com esquema para tirar o Vasco. Tem que cair aquele que merece cair”, declarou.
Um dos integrantes mais antigos da cúpula diretora da CBF, Delfim Peixoto fez campanha para a vice-presidência de José Maria Marin e, inclusive, moveu ação para colocar seu nome na sede localizada na Barra da Tijuca. Com o amigo cumprindo prisão domiciliar à espera do julgamento, o presidente da Federação Catarinense se tornou grande opositor de Del Nero.
Dizendo defender o estatuto da CBF a qualquer custo, Delfim lamentou o atual cenário da entidade após a saída de Marco Polo Del Nero do Comitê Executivo da Fifa, anunciada na última quinta. “Aqueles que aplaudem uma situação como essa não querem o bem do futebol brasileiro”, defendeu, criticando a nomeação de Fernando Sarney para representar o Brasil na Fifa. (Pararijos NEWS)

Julgamento de Jatene no TRE é suspenso

Julgamento de Jatene no TRE é suspenso (Foto: Bruno Carachesti/Diário do Pará)
(Foto: Bruno Carachesti/Diário do Pará)
O Tribunal Regional Eleitoral do Pará suspendeu o julgamento da ação de investigação contra o governador Simão Jatene, que avaliava o uso eleitoreiro do programa Cheque Moradia durante as eleições de 2014. O pleno foi interrompido após a Justiça Federal após pedir vistas do processo.
O julgamento iniciou na manhã desta sexta-feira (27). Após a promotoria ler os itens do processo, votou como “improcedente” a acusação de abuso de poder econômico e político.
Entretanto, a juíza federal Luciana Daibes, que participava da audiência, pediu vistas do processo, procedimento para reavaliar os documentos, provas e tramitações.
Segundo o TRE, o julgamento deverá ser reiniciado em outra data, ainda não definida. Caso seja condenado, Jatene pode pagar multar e ser cassado.
IRREGULARIDADES
Jatene é acusado de desviar o uso do benefício, que deveria ser um meio de melhorar a vida das pessoas através da construção, ampliação ou melhoria das casas dos beneficiários, mas teria sido implementado para fins eleitoreiros.
No interior do Estado, além de funcionar como máquina de compra de votos em favor da recandidatura de Jatene, o programa ludibriou centenas de famílias e frustrou o sonho da tão desejada casa própria.
A estimativa é que o governo do Estado tenha emitido - entre concessões e cadastramento - mais de 30 mil Cheques Moradia apenas em outubro passado, mês da eleição, num uso escancarado e explícito de um programa social do Estado como instrumento de compra de votos. 
(DOL/Pararijos NEWS com informações do Diário do Pará)

Defesa de Bumlai pede que ele seja dispensado da CPI do BNDES

O empresário e pecuarista José Carlos Bumlai é escoltado por policiais federais ao deixar o Instituto de Ciência Forense em Curitiba. Bumlai foi preso na 21ª etapa da Operação Lava Jato (Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters)O empresário e pecuarista José Carlos Bumlai é escoltado por policiais federais ao deixar o Instituto de Ciência Forense em Curitiba. Bumlai foi preso na 21ª etapa da Operação Lava Jato (Foto: Rodolfo Buhrer/Reuters)
A defesa do pecuarista José Carlos Bumlai, preso pela 21ª fase da Operação Lava Jato, pediu à Justiça Federal que ele seja dispensado da sessão da CPI do BNDES marcada para terça-feira (1º) na Câmara dos Deputados. Segundo os advogados, o empresário não irá responder as perguntas dos deputados.

Bumlai está detido em Curitiba desde terça-feira (24) por ser suspeito de ter envolvimento no esquema de fraudes, corrupção e desvio de dinheiro na Petrobras. O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) afirmam que Bumlai utilizou contratos firmados na estatal para quitar empréstimos junto ao Banco Schahin.

A prisão ocorreu no mesmo dia que ele deporia na CPI do BNDES. O empresário é suspeito de ter intermediado empréstimo de R$ 60 milhões do BNDES para o Banco Schahin. O dinheiro seria usado para pagar dívidas de campanha do Partido dos Trabalhadores (PT).
Bumlai nega.
 
Diante da prisão, a oitiva foi transferida para a semana seguinte, com a autorização do juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas ações penais no âmbito da Lava Jato na primeira instância.

Ao requerer a dispensa, a defesa argumentou que ele ficará calado diante das perguntas dos parlamentares.

“De tal forma, seu deslocamento para Brasília, às custas do Estado, só trará gastos desnecessários à máquina pública e em nada contribuirá para os trabalhos daquela CPI”, diz trecho da petição protocolada pela defesa do pecuarista.

Bumlai e a Lava Jato
O Ministério Público Federal e a Polícia Federal afirmam que Bumlai utilizou contratos firmados na Petrobras para quitar empréstimos junto ao Banco Schahin. O dinheiro destes financiamentos era destinado ao PT.

O principal empréstimo em investigação na 21ª fase era de R$ 12 milhões e teve o valor elevado para R$ 21 milhões devido aos acréscimos. A dívida, de acordo com o Ministério Público Federal, foi perdoada, e a irregularidade foi mascarada com uma falsa quitação no valor inicial do empréstimo.

Em troca, empresas do grupo Schahin conquistaram, sem licitação, o contrato de operação do navio-sonda Vitória 10.000, ainda conforme o Ministério Público Federal.

Para justificar ao Banco Central a falta de pagamento, o banco Schahin efetivou um novo empréstimo em nome de uma empresa do pecuarista. Foi criado um falso contrato entre o empresário e fazendas do grupo Schahin. (Pararijos NEWS)

Supremo manda banqueiro para presídio

Esteves teve negado seu pedido de revogação de prisãoEsteves teve negado seu pedido de revogação de prisão
O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou ontem pedido da defesa de André Esteves, do BTG Pactual, para revogar a prisão do banqueiro, e determinou a transferência do executivo para o presídio Ary Franco, no Rio de Janeiro.
A transferência ocorreu ontem à noite. Esteves foi preso anteontem, suspeito de obstruir as investigações da Operação Lava Jato - assim como o senador Delcídio Amaral (PT-MS) - por tentar comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró. De acordo com a Procuradoria-Geral da República, com base em conversas gravadas pelo filho de Cerveró, o senador petista ofereceu uma mesada de R$ 50 mil para evitar que ex-diretor da Petrobrás mencionasse o congressista e o BTG Pactual em eventual acordo de delação premiada.
A verba seria financiada por André Esteves, segundo as conversas entre o parlamentar, o então advogado de Cerveró, Edson Ribeiro, e o filho do ex-diretor, Bernardo Cerveró.
O advogado de Esteves, Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, alegou ao STF que a prisão temporária do banqueiro foi baseada "única e exclusivamente" na fala de Delcídio. Ele nega que conheça Cerveró, o filho do ex-diretor ou o chefe de gabinete de Delcídio, Diogo Ferreira, e o advogado Edson Ribeiro. (Pararijos NEWS)

Polícia Federal vai ouvir Cerveró nesta sexta sobre vazamento da delação

Camila BomfimDa TV Globo, em Brasília
Cerveró (Foto: Rede Globo)O

A Polícia Federal vai ouvir na tarde desta sexta-feira (27) o ex-diretor internacional da Petrobras Nestor Cerveró que apura o vazamento de parte da delação dele. O documento, apesar de sigiloso, chegou ao dono do BTG Pactual , André Esteves, preso no Rio. O depoimento de Cerveró será às 14h30 na superintendência da PF em Curitiba , onde ele está preso.
 
Inicialmente, a PF havia marcado também para esta sexta o depoimento do agente Newton Ishii. No entanto, o depoimento foi desmarcado e ainda não há data para ocorrer.
Newton Ishii  transporta presos e aparece na maioria das fotos acompanhando novas prisões da Lava Jato. O nome  Newton  foi citado na gravação feita pelo filho de Cerveró, Bernardo, na conversa que teve com o senador Delcídio do Amaral, o chefe de gabinete dele, Diogo Ferreira e o então advogado de Cerveró, Edson Ribeiro. A gravação serviu de prova de obstrução das investigações .
A superintendência da PF em Curitiba afirma que tem confiança no trabalho de Newton Ishii e sabe que o agente não teve acesso à delação de Cerveró. A apuração, segundo a polícia, será rápida.
Na gravação, Bernardo e Edson demonstram espanto com o suposto acesso do banqueiro à delação de Cerveró, e conversam sobre como isso poderia ter acontecido.
O ex-diretor já adiantou aos investigadores que a delação dele  provavelmente vazou através do advogado Edson Ribeiro.
A Pf também quer ouvir Bernardo Cerveré. O depoimento pode ocorrer na semana que vem, no inquérito que apura o vazamento da delação de Cerveró. (Pararijos NEWS)

Jefferson Lima está à frente de Pioneiro

Jefferson Lima está à frente de Pioneiro (Foto: Bruno Carachesti)
(Foto: Bruno Carachesti)
A TV Record divulgou, ontem, pesquisa realizada no município de Ananindeua, sobre as eleições para prefeito, que acontecerão daqui a cerca de 1 ano. No estudo, os entrevistados eram perguntados em quem votariam se as eleições fossem hoje e também analisavam o desempenho do atual prefeito, Manoel Pioneiro, em diversas áreas. Os resultados mostram a insatisfação da população de Ananindeua em relação ao prefeito (veja gráficos abaixo). Perguntados em quem votariam no primeiro turno das eleições municipais - mas sem a sugestão de nomes dos candidatos -, 73,5% dos eleitores disseram não saber, enquanto 6,7% responderam que não votariam em ninguém. Ou seja, mais de 80% dos entrevistados não demonstraram intensão de votar no atual prefeito da cidade.
Vitória
Sobre um possível cenário em que os candidatos fossem Manoel Pioneiro, Jefferson Lima, Coronel Neil e Miro Sanova, os eleitores de Ananindeua revelaram que Jefferson seria o vitorioso, com 35,3% dos votos, contra 28% de Pioneiro, 14,8% de Neil e 8,5% de Sanova. Sobre um eventual Segundo Turno entre Jefferson e Pioneiro, os entrevistados deram vitória, com folga, ao apresentador. Na disputa, Jefferson teria 48% dos votos, contra 35,5% de Pioneiro. A situação do atual prefeito está tão complicada em relação ao eleitorado, que ele perderia o Segundo Turno até para o Coronel Neil, que receberia 46,4% dos votos, contra 36,5% de Pioneiro. Já no cenário de Segundo Turno entre Jefferson e Neil, a vitória seria do apresentador, que receberia o voto de 49,2% dos entrevistados, enquanto o coronel teria 31,4%.
Outro ponto importante da pesquisa reforça, ainda mais, a insatisfação da população de Ananindeua com o seu prefeito. À pergunta “em quem você não votaria de jeito nenhum”, Pioneiro apareceu como o candidato com o maior índice de rejeição, com 35,7%. Em segundo lugar, ficou Jefferson Lima (21,2%), seguido por Pastor Divino (20,7%), Eliel Faustino (14,2%), Miro Sanova (9,8%) e Coronel Neil (7,7%). A pesquisa da Record ouviu 614 eleitores de Ananindeua, entre os dias 13 e 17 deste mês, atinge um grau de confiança de 95% e tem margem de erro de 4%, para mais ou para menos. O estudo foi realizado pela Paraná Pesquisas.
Eleitores rejeitam apoiados de Jatene
A pesquisa da Record também demonstrou o descontentamento do eleitorado em relação ao governador Simão Jatene.
A Paraná Pesquisas perguntou aos eleitores se o apoio do governador a um candidato a prefeito do município aumentaria, reduziria ou não alteraria a sua vontade de votar nesse candidato.
O resultado é que Jatene não seria um bom cabo eleitoral para o pleito do ano que vem.
Só 26,4% dos votantes consultados dariam sua garantia nas urnas para um candidato jatenista. Por outro lado, 36,6 % rejeitariam um eventual apoiado por ele. O número é maior até entre aqueles que estariam indiferente à coligação com o Governo do Estado, que somam 34,9%. Nessa pesquisa, apenas 2,1% dos entrevistados disseram não saber ou não opinaram. 
(Diário do Pará/Pararijos NEWS)

Citado em gravação, Barbalho vai à tribuna pedir voto secreto sobre prisão de petista e é rechaçado


O mandato discreto do senador Jader Barbalho (PMDB-PA), de muitas ausências e pouca participação nas atividades parlamentares do Congresso Nacional, ganhou ontem ares semelhantes à época em que o peemedebista teve que renunciar a sua cadeira no Senado Federal, em 2002, para escapar de uma cassação, sendo até preso pela Polícia Federal por envolvimento no desvio de verbas da extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam).
Nadando contra a corrente moralista de quase a totalidade dos senadores, Jader ocupou ontem a tribuna do Senado para defender o voto secreto sobre a prisão do colega Delcídio Amaral (PT-MS), que, inclusive, o cita no áudio em que articula a fuga de Nestor Cerveró. “Não precisa nenhum senador ser fiscalizado”, disse peemedebista ao pregar o voto obscuro. “Nenhum senador se sente confortável nessa sessão. Deus poupe o Senado de viver outros episódios como esse”, completou.
A Constituição determina que cabe ao Senado validar a decisão do STF quando se trata de um parlamentar no exercício do mandato. A maioria dos parlamentares defendeu publicamente o voto aberto, diante da gravidade da crise política atual.
Alguns chegaram a se manifestar contra o discurso de Jader Barbalho. “Tenho o direito de abrir o meu voto e o meu eleitor deve conhecer minhas posições. Eu quero que o eleitor saiba como eu voto. Eu quero ser fiscalizado”, argumentou o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), falando diretamente para o senador do PMDB.
O senador Blairo Maggi (PMDB-MT) foi outro que rechaçou a proposta de Barbalho de esconder o voto. “O meu eleitor merece saber o que seu senador decide aqui nessa Casa.”
Reações - No entanto, a maior reação contra a defesa de Jader Barbalho pelo voto fechado para se resolver a prisão de Delcídio Amaral veio da população, por meio das redes sociais. Durante o longo discurso citando o desconforto com a situação, internautas se manifestaram criticando e ironizando o peemedebista.
“@jader_barbalho tenho vergonha de ter esse cara como senador pelo meu estado. Voto secreto é coisa de bandido”, escreveu no Twitter do Senado, Fco de Carvalho (@cstfco), de Ourilândia do Norte.
“Corrupções dele são mais do que provadas”
A maioria dos comentários postados com críticas à defesa que Jader Barbalho fez do voto secreto argumentava que o peemedebista estava preocupado com o risco de ser o próximo político a ser preso.
“@jader_barbalho isso só é verdade para quem tem rabo preso”, escreveu Elizabeth Leal (?@bethlealpg). “@jader_barbalho Ele principalmente.. está defendendo o pp rabo”, disse Elza Edely (?@ElzaEdely). “@jader_barbalho Ele principalmente, que já sabe o conforto da prisão”, ironizou Yuri (?@yuriqrn). “@jader_barbalho Verdade, principalmente aqueles que são alvo de denúncias e delações e percebem que podem ser os próximos”, postou José Roberto (?@jrvwagner) durante o discurso.
Em outros textos no Twitter do Senado, era questionado como o senador paraense ainda tinha espaço na política brasileira. “Cara não entendo como o Jader Barbalho ainda é político. Corrupções dele são mais do que provadas. O Brasil país que ser corrupto é legal”, protestou Felipe Santana (?@felipessan).
Noblat - Jornalistas que cobrem a política brasileira se manifestaram durante o discurso. É o caso do jornalista Ricardo Noblat (@BlogdoNoblat) que postou: “Jader Barbalho é coerente quando se opõe à prisão de um senador. Ele já foi preso. Sabe quanto é duro.” Renata Lo Prete (?@renataloprete), da Globo News, também comentou: “Ao defender o voto secreto, Jader Barbalho diz ter ‘ojeriza pelas palmatórias do mundo1. No wonder.”
Senado dá aval à prisão de Delcídio decretada pelo Supremo
O Senado decidiu ontem, em votação aberta no plenário, manter a ordem de prisão expedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) contra o senador Delcídio do Amaral (PT-MS), líder do governo na Casa. Com isso, o parlamentar petista continuará preso por tempo indeterminado. A manutenção da prisão foi decidida por 59 votos favoráveis, 13 contra e 1 abstenção.
Delcídio foi detido ontem, pela Polícia Federal (PF), acusado de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato. Em uma gravação, ele oferece R$ 50 mil mensais à família de Nestor Cerveró para tentar convencer o ex-diretor da área internacional da Petrobras a não fechar um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF).
Pela Constituição, prisões de parlamentares que estejam no exercício do mandato têm de ser submetidas à análise da casa legislativa a qual ele atua. (Pararijos NEWS)

Polícia frustra assalto a casal


Assaltantes mantiveram um casal refém dentro de um veículo durante mais de 40 minutos ontem à noite, no bairro da Sacramenta, em Belém. Os dois acusados, acompanhados de um adolescente, invadiram o carro das vítimas e foram perseguidos pela polícia logo em seguida. Eles se renderam após terem as exigências atendidas. Uma das vítimas e a companheira de um dos assaltantes passaram mal e precisaram ser atendidas por socorristas do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu). Após a rendição do trio, a polícia descobriu que eles usavam um simulacro (imitação de arma de fogo).
A situação teve início na avenida Pedro Álvares Cabral, esquina com a avenida Tavares Bastos, na Marambaia. O casal trafegava em um veículo Toyota Etios e foi surpreendido quando os dois criminosos e o adolescente de 17 anos fizeram a abordagem e, apontando uma arma, entraram no veículo. “Eu tinha parado no semáforo quando eles se aproximaram e entraram no carro. Foi uma situação muito difícil e assustadora”, afirmou o homem, que preferiu não ter sua identidade divulgada.
Os acusados, identificados como Marlon Coelho Silva, de 21 anos e Isaac Cardoso Rodrigues, de 20, ficaram no banco de trás do veículo, junto com o adolescente. O casal continuou nos bancos da frente e o motorista foi obrigado a continuar dirigindo até que viaturas da Polícia Militar (PM) foram informadas sobre o assalto em andamento.
Guarnições do 1º Batalhão da Polícia Militar (BPM) conseguiram localizar o Etios transitando sentido Sacramenta e a perseguição teve início. De acordo com o sargento Balbino, foi preciso ter cautela. “Pedimos reforços e fizemos o acompanhamento. É sempre uma situação que exige cautela, porque nunca sabemos qual será a reação dos acusados”, afirmou.
O veículo com os assaltantes e reféns foi interceptado na avenida Senador Lemos, próximo à travessa Perebebuí. Teve início, então, a negociação, que durou aproximadamente 40 minutos. Segundo o tenente Nazareno, oficial de dia do 1º BPM, os acusados pediram a presença da imprensa, família e colete à prova de balas. “Eles inicialmente liberaram a refém, que estava passando mal”, continuou.
A refém foi liberada e foi atendida por uma equipe do Samu, que chegou ao local cerca de cinco minutos depois. Quase ao mesmo tempo, também passou mal a companheira de um dos assaltantes. Grávida, ela foi ao local a pedido de Isaac, mas começou a sentir dores e chegou a desmaiar.
A negociação com os acusados terminou por volta das 21h30, quando eles concordaram em liberar o refém e resolveram se entregar. Os três saíram do veículo, se jogaram no chão e entregaram a arma, que na verdade era uma pistola de cola quente (material usado para fazer artesanato), com o cabo preto, modificada para se parecer com um revólver. “Mas à noite, no escuro, não tem como saber que é um simulacro”, disse o tenente. O sargento complementou: “O trauma é o mesmo daquele causado por uma arma de verdade”.
Os policiais tiveram trabalho para conter a população, que estava revoltada e queria agredir os acusados. Os três foram encaminhados para a Seccional Urbana da Sacramenta. No local, um deles alegou ter 17 anos. Os outros dois disseram que nunca tiveram passagem pela polícia, mas os PMs afirmaram que um deles já foi preso há cerca de um mês, na Marambaia. (Pararijos NEWS)

Governo e Vale criam grupo de trabalho para implantar siderúrgica em Marabá

O governador destacou ainda que o esforço deverá ser por um desenvolvimento que contemple a melhoria da qualidade de vida da população
Da Redação
Agência Pará de Notícias
Atualizado em 26/11/2015 19:54:00
O governador do Pará, Simão Jatene, e o presidente da Vale, Murilo Ferreira, assinaram nesta quinta-feira (26), no Palácio de Governo, em Belém, protocolo de intenções para a criação do grupo de trabalho que vai discutir e buscar alternativas de projetos e investimentos para a implementação de complexo siderúrgico de Marabá, no sudeste do Estado, levando em consideração o uso dos modais existentes.
O grupo é composto por dez membros e tem como presidente o secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki. Os participantes serão indicados pelo governo do Estado, Vale, Assembleia Legislativa, Federação das Indústrias do Pará (Fiepa), Associação Comercial e Prefeitura de Marabá. O prefeito da cidade, João Salame, também assinou o documento.
Simão Jatene ressaltou a importância do compromisso para o desenvolvimento do Pará. “Tenho a clareza de que a parceria entre o Estado e o setor mineral vai perdurar por muito tempo. É possível aprimorar os projetos e criarmos condições para que eles aconteçam. Nosso crescimento só se concretiza se criarmos a viabilidade e sustentabilidade econômica, e é isso que estamos fazendo. Queremos contribuir para o crescimento do país, mas a partir do nosso próprio desenvolvimento”, afirmou.
O governador destacou ainda que o esforço deverá ser por um desenvolvimento que contemple a melhoria da qualidade de vida da população. “Nas últimas décadas, a economia cresceu, mas a população também, e a evolução deste avanço na economia não resultou em melhorias dos indicadores sociais. A palavra sustentabilidade, na Amazônia, não admite adjetivação. Ela deve ser, ao mesmo tempo, econômica, ambiental e social”, disse.
Sobre o funcionamento do grupo de trabalho, Adnan Demachki destacou que o empenho será por mostrar resultados práticos durante o ano, apresentando alternativas de investimentos que possam viabilizar economicamente a implantação do complexo siderúrgico em Marabá. “Não vamos medir esforços para que possamos viabilizar esse empreendimento tão sonhado em Marabá e levar o desenvolvimento para todo o Estado”, explicou ele, que já convocou a primeira reunião do grupo para o início de dezembro.
Ainda segundo o protocolo assinado, os investimentos no setor mineral devem continuar a trazer benefícios à economia local por meio de agregação de valor à cadeia produtiva, em especial, a geração de emprego e renda. “Acompanhamos e vivemos a história do Pará, um Estado que queremos tão bem. O trabalho será construído nesses próximos meses em relação ao empreendimento e discernimento de alternativas e possibilidades. Esse trabalho veio em um momento especialmente importante, em que nosso país vive uma crise econômica, política e ética, e precisamos ter iniciativas, já que não podemos esperar que as respostas venham do governo central”, disse o presidente da Vale.
Para João Salame, o momento é oportuno para se buscar alternativas viáveis que representem fortalecimento para a economia local. “A prefeitura, como uma das interessadas no projeto, irá participar ativamente da construção da proposta, colaborando no que for preciso para a viabilização“, afirmou.
Lidiane Sousa
Secretaria de Estado de Comunicação
(Pararijos NEWS)

Advogado de Nestor Cerveró é preso ao desembarcar no Rio

Edson Ribeiro (Foto: Reprodução/Rede Globo)
Edson Ribeiro, advogado do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, foi preso na manhã desta sexta-feira (27) no Aeroporto Tom Jobim, Zona Norte do Rio, logo após chegar de um voo de Miami (EUA).
Segundo a Procuradoria Geral da República, Ribeiro fez parte do esquema para tentar interferir nas investigações da Operação Lava Jato, do qual fariam parte ainda o senador Delcídio do Amaral e o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual.
O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, autorizou a inclusão do nome do advogado  na difusão vermelha da Interpol, que permitiria que Edson fosse preso em fronteiras ou no exterior.
Ribeiro chegou a ser localizado nos Estados Unidos na quarta, mas não foi detido porque era aguardada a decisão do Supremo sobre a inclusão do nome na lista.
Edson Ribeiro é suspeito de ter atuado para ajudar o senador Delcidio do Amaral, líder do governo no Senado, a tentar prejudicar acordo de delação premiada entre Cerveró e o Ministério Público Federal. Ou, caso o acordo fosse firmado, impedir que o ex-diretor citasse o nome do parlamentar e do empresário André Esteves, que foram presos nesta quarta.
Site da Interpol usa foto do advogado de Cerveró, Edson Ribeiro, e diz que ele é procurado pela Justiça brasileira (Foto: Reprodução)Site da Interpol usa foto do advogado de Cerveró, Edson Ribeiro, e diz que ele é procurado pela Justiça brasileira (Foto: Reprodução)
Relatório da PGR
O pedido de prisão do advogado consta em um o relatório da Procuradoria Geral da República, que também solicitou a prisão do senador Delcídio do Amaral e de Esteves.
Em diversos trechos, o documento aponta supostas tentativas de Delcídio de “embaraçar as investigações”. Fala em “atuação concreta e intensa” do senador e do banqueiro para evitar a delação premiada de Nestor Cerveró, “conduta obstrutiva” e “tentativa de interferência política em investigações judiciais”. A PGR afirma que os R$ 50 mil mensais prometidos a Nestor Cerveró seriam repassados à  família do ex-diretor mediante um “acordo dissimulado” entre o advogado Edson Ribeiro e o BTG Pactual, do banqueiro André Esteves.
Ainda conforme o relatório da PGR, parte dos valores prometidos a Cerveró seria repassada a partir de honorários advocatícios pagos por André Esteves, ao advogado Edson Ribeiro.
O senador Delcídio do Amaral  também teria prometido a Ribeiro, segundo o documento da PGR, mais R$ 4 milhões em honorários advocatícios.
O relatório foi baseado em gravações realizadas por Bernardo Cerveró, filho de Nestor Cerveró, de duas reuniões recentes – realizadas nos dias 4 e 19 de novembro – com a participação de Delcídio Amaral e André Esteves.  (Pararijos NEWS)

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Mandato de Jatene está ameaçado. Entenda o porquê:

Mandato de Jatene está ameaçado. Entenda o porquê: (Foto: Bruno Carachesti)
(Foto: Bruno Carachesti)
O uso eleitoreiro de Simão Jatene do programa Cheque Moradia poderá ganhar um capítulo final nesta sexta-feira (27). É que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) irá julgar a Ação de Investigação Judicial Eleitoral contra o governador por crime eleitoral. O TRE irá avaliar se o governador cometeu os crimes de abuso de poder econômico e político. Caso seja condenado, Jatene pode pagar multar e ser cassado. O pleno do tribunal também julgará o pedido de declaração de inelegibilidade contra ele. 
IRREGULARIDADES
O desvio no uso do benefício, que deveria ser um meio de melhorar a vida das pessoas através da construção, ampliação ou melhoria das casas dos beneficiários, contaminou por completo o programa durante a eleição para o governo do Estado no ano passado. 
No interior do Estado, além de funcionar como máquina de compra de votos em favor da recandidatura de Jatene, o programa ludibriou centenas de famílias e frustrou o sonho da tão desejada casa própria. A estimativa é que o governo do Estado tenha emitido - entre concessões e cadastramento - mais de 30 mil Cheques Moradia apenas em outubro passado, mês da eleição, num uso escancarado e explícito de um programa social do Estado como instrumento de compra de votos. 
O uso do benefício foi o maior caso de corrupção eleitoral já visto na história das eleições no Pará. A representação lembra que durante a campanha eleitoral para o Governo do estado do Pará, constatou-se uma série de irregularidades e abuso do poder político em benefício das candidaturas de Simão Jatene à reeleição ao Governo e de Zequinha Marinho, candidato a Vice Governador, pela Coligação “Juntos com o Povo”.
(Diário do Pará/Pararijos NEWS)

O "gênio" de André Esteves na Petrobras


André Esteves, CEO do banco BTG Pactual, disse estar orgulhoso com resultados Não é à toa que o senador Delcídio Amaral, preso ontem por tentar atrapalhar o trabalho da Justiça na Operação Lava Jato, chamou o banqueiro André Esteves (foto) de “gênio” nas gravações usadas para justificar sua prisão. Esteves sempre foi considerado um prodígio dos negócios. Ambicioso, hiper-ativo, conseguiu erguer um império por meio de aquisições e tacadas certeiras em vários setores –estacionamentos, shopping centers, drogarias, construção civil, saúde e, naturalmente, finanças (um exemplo foi a compra do banco Pan-americano).

Muitas das manobras de Esteves no mercado financeiro já foram questionadas e não é raro que venham à tona acusações de uso de informação privilegiada ou comportamento discutível. Também é verdade que nem todos os negócios fechados por Esteves foram bem-sucedidos. No conjunto, contudo, o resultado é impressionante. O BTG Pactual tornou-se um dos maiores bancos de investimento do país, com patrimônio líquido de R$ 22,1 bilhões e ativos de R$ 652,5 bilhões sob sua gestão, segundo dados divulgados para o terceiro trimestre deste ano.  Numa área, porém, as investidas de Esteves têm sistematicamente dado errado: seus negócios com a Petrobras. Pelo menos três deles já levantaram controvérsia – e todos trouxeram se não prejuízo, no mínimo problemas ao BTG Pactual.

O negócio que está na origem da prisão de Esteves ontem nem mesmo foi fechado pelo banco, mas por uma empresa de Esteves e alguns acionistas, a BTG Alpha. De acordo com um depoimento do doleiro Alberto Yousseff, prestado em novembro do ano passado como parte de sua delação premiada, a turma de Esteves pagou R$ 6 milhões em propinas ao senador Fernando Collor de Mello para fechar um contrato de R$ 122 milhões com BR Distribuidora. Pelo contrato, a BR se tornaria fornecedora exclusiva e bandeira dos 118 postos de gasolina mantidos pela DVBR, uma sociedade de 2009 da tal BTG Alpha com o empresário Carlos Santiago, que andava mal das pernas e depois teve de ser desfeita com a venda dos postos. Santiago era um nome polêmico, já acusado de adulteração de combustível pela Agência Nacional do Petróleo (ANP).

Mas esse nem é o negócio que mais prejuízo trouxe a Esteves. Ele empalidece diante do bilhão que foi pelo ralo na Sete Brasil, que o próprio Esteves já classificou como “um super-fiasco”.  A Sete foi aquela empresa criada sob os auspícios so ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para produzir no Brasil as sondas de exploração de petróleo da Petrobras. Ao todo, seus acionistas – além do BTG, os bancos Bradesco e Santander e os fundos de pensão Previ, Petros, Funcef e Valia – puseram R$ 8,3 bilhões no negócio. Em sua delação premiada, o ex-executivo da Petrobras Pedro Barusco contou como a Sete venceu de modo fraudulento a licitação para a construção das sondas de exploração do pré-sal e distribuía propinas aos montes. Hoje, amarga uma dívida estimada em R$ 10 bilhões. Só o BTG tem uma exposição de R$ 1 bilhão no negócio e já reconheceu em balanço a perda de R$ 280 milhões.

O maior e mais ambicioso negócio de Esteves com a Petrobras ainda está em andamento. Trata-se da sociedade firmada pelo BTG com a estatal para explorar todos os ativos de petróleo da empresa na África. Atuando como uma espécie de “BNDES privado”, o BTG decidiu em 2013 participar de uma operação que uniria os poços explorados em Angola, Benin, Gabão, Líbia, Namíbia, Nigéria e Tanzânia numa única empresa, apelidada na ocasião de Petroáfrica (o nome oficial acabou sendo PO&G). Entre 2003 e 2010, a Petrobras investiu algo como US$ 4 bilhões no continente. A iniciativa era parte da estratégia do ex-presidente Lula para ampliar os negócios do Brasil no continente – em 2008, ele viajou a Gana acompanhado de ninguém menos que o empresário José Carlos Bumlai, também preso esta semana pela Lava Jato.

A Petrobras precisava de mais capital para fazer andar seus negócios africanos. O único investimento promissor, cujo resultado era inequívoco, estava na Nigéria. Os demais precisavam do dinheiro para entrar no azul e depois ser vendidos. Em junho de 2013, o BTG pagou R$ 1,5 bilhão por metade da empresa que reunia os ativos da Petrobras na África. O valor da operação foi questionado. Embora o BTG sempre tenha defendido que foram praticados “valores de mercado”, as avaliações para a empresa toda chegavam a R$ 4 bilhões. A ideia era reestruturar e desfazer-se aos poucos dos ativos que não davam resultado. A acusação que pesa contra o BTG é ter recebido um “desconto” para ajudar aceitar financiar a estratégia desastrada de expansão africana da Petrobras. Petrobras e BTG negam o desastre. Argumentam que o negócio como um todo foi lucrativo e gerou dividendos aos acionistas

A situação de Esteves não supreendeu quem acompanha de perto seu estilo agressivo. Não se sabe se aquilo que o senador Delcídio diz na gravação tem algum fundo de verdade, ou se realmente ambos encontraram-se apenas para discutir a situação da economia e a CMPF, como Esteves deu a entender em seu depoimento de ontem, de acordo com notícia divulgada pela revista Época. A única surpresa é Esteves ter sido preso sob a acusação de tentar acobertar a propina em um negócio mixuruca de postos de gasolina – quando as relações de seu banco com a Petrobras têm uma dimensão muito maior. Tentei falar ontem com o BTG. Eles se limitaram a me enviar um comunicado que afirma: “O BTG Pactual esclarece que está à disposição das autoridades para prestar todos os esclarecimentos necessários e vai colaborar com as investigações”. (Pararijos NEWS)

Setor portuário receberá R$ 51 bilhões

Setor portuário receberá R$ 51 bilhões (Foto: Diário do Pará)
(Foto: Diário do Pará)
Os investimentos previstos para o setor portuário nos próximos anos somam R$ 51 bilhões. Segundo o ministro da Secretaria de Portos, Helder Barbalho, R$ 3,9 bilhões serão feitos com recursos do governo e entre R$ 47 bilhões e R$ 48 bilhões virão da iniciativa privada. “Nós estamos absolutamente certos de que é uma agenda exequível”, afirmou o ministro ontem, durante palestra no Fórum Infraestrutura de Transporte, promovido pelo jornal Folha de São Paulo.
“O que cabe ao Governo é garantir eficiência processual e agilidade para permitir aos investidores privados que se planejem para a execução de suas demandas”. Na carteira de investimentos listada pela Secretaria de Portos estão obras de dragagem, autorizações para construção de terminais de uso privado, licitação de áreas para arrendamento e prorrogações de contratos de arrendamentos. 
Obras
Serão R$ 3,9 bilhões em obras de dragagem de aprofundamento, para permitir o acesso de navios de maior porte aos portos brasileiros; mais de R$ 19 bilhões a serem investidos em terminais de uso privado, caso todos os 66 pedidos de autorização em análise na SEP sejam concedidos; outros R$ 16 bilhões em investimentos planejados para as 93 áreas a serem licitadas e leiloadas até o fim de 2016; e mais R$ 11 bilhões de obras prometidas nos processos de prorrogação dos arrendamentos.
Investimentos no Pará
Mais uma vez o Pará ganha destaque entre os investimentos anunciados pelo ministro Helder. Das 93 áreas a serem licitadas, 4 delas – uma em Vila do Conde (PA) e 3 em Santos (SP) – serão leiloadas em 9 de dezembro na BM&FBovespa. Os editais de licitação de outras 4 áreas – 3 em Outeiro (PA) e uma em Santarém (PA) – deverão ser publicados em dezembro.
O ministro, que participou do painel Integração entre modais: o estado do planejamento na logística brasileira, disse ser muito importante a concessão da BR-163 e da ferrovia entre Lucas do Rio Verde (MT) e Mirituba (PA) para o escoamento de produtos pelo Arco Norte, especialmente da soja produzida no Centro-Oeste, através dos terminais portuários de Mirituba, Vila do Conde e Santarém. “O objetivo é fazer com que os calendários de construção da ferrovia e dos terminais previstos para o Pará se encontrem. Assim vamos criar uma alternativa logística para a soja, que hoje sai por Santos.
(Diário do Pará/Pararijos NEWS)

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Marajó recebe serviços de saúde e cidadania da Caravana Pro Paz


Começou na segunda (23) a Caravana Pro Paz Cidadania no Marajó. São 16 dias de ações nos municípios de Bagre, Curralinho, Portel, Breves e Melgaço.
Da Redação
Agência Pará de Notícias
Atualizado em 25/11/2015 18:43:00
Começou na segunda-feira (23) a Caravana Pro Paz Cidadania no Marajó. São 16 dias de ações nos municípios de Bagre, Curralinho, Portel, Breves e Melgaço, com serviços de saúde e emissão de documentos. A ação é uma iniciativa do Governo do Pará, por meio da Fundação Pro Paz em parceria com as secretarias de Estado de Assistência, Trabalho, Emprego e Renda (Seaster), Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), Saúde Pública (Sespa) e Segurança Pública e Defesa Social (Segup), e Defensoria Pública.
O primeiro município beneficiado foi Bagre, que recebeu três dias de ações, encerradas nesta quarta-feira (25). No período foram emitidas 690 carteiras de identidade, 222 carteiras de trabalho, 325 certidões de nascimento e 825 fotos 3x4, além de 190 atendimentos jurídicos. Além disso, a caravana oferece serviços de saúde especializados, com atendimento médico de clinico geral, pediatra e ginecologista. A equipe da Sespa oferece medicamentos básicos para a população.
Para Maria José, 51 anos, moradora de Bagre, a Caravana Pro Paz vem para beneficiar a população que mora no Marajó. “Nossa região fica muito longe da capital, e quando o Pro Paz traz estes serviços itinerantes até nós, toda a população é beneficiada. Fiz minha consulta de forma rápida e fui muito bem atendida. Estou muito feliz com esse trabalho do Governo do Estado”, afirmou.
A próxima parada da caravana será em Curralinho, de sexta-feira (27) a domingo (29). Depois, segue para Portel (1 a 3 de dezembro), Breves (5 a 8) e Melgaço (10 a 12). A estimativa é fazer, nos 16 dias de programação, cerca de 15 mil atendimentos.
Mayara Albuquerque
Fundação Pro Paz
(Pararijos NEWS)

Carol posa toda sensual

0

Aos 31 aninhos, Carol Castro mostra que está com tudo em cima. Em post feito no Instagram, a atriz aparece só de calcinha e sutiã em fotos para uma campanha de lingerie. É possível ver nas imagens que a dieta balanceada e a malhação surtem muito efeito no corpo da morena.
Solteira desde que terminou o casamento com o ator  Raphael Sander, Carol disse ao site “Ego” que antes de ser famosa recebia mais cantadas. “Quando eu era mais nova, não tinha a questão da fama. A fama assusta um pouco. Os homens quando ficam famosos, as mulheres se jogam, arrancam pedaços. Já para as mulheres, os homens ficam mais intimidados. Acho que a fama assusta muito mais nesse sentido. Antes da fama eu era mais assediada na cara dura, de mexer na rua, passar na obra e falarem com você (risos)... Aquela coisa”, se divertiu a atriz.  (Pararijos NEWS)

Cearense e Capanema renovam com o Paysandu

Cearense e Capanema renovam com o Paysandu (Foto: DOL)
O volante Ricardo Capanema (direita) e o atacante Leandro Cearense (Esquerda) ficarão por mais um ano no Papão (Foto: DOL)
O Paysandu renovou contrato com dois destaques dessa temporada: o volante Ricardo Capanema e o atacante Leandro Cearense. Os dois renovaram contrato por um ano.
Leandro Cearense chegou no início desse ano. O atacante passou por times de fora, como Vila Nova-GO e Cuiabá-MS, e do Pará, como Cametá, Abaeté, Santa Cruz e o rival Remo. Na Série B, Cearense se tornou um dos artilheiros do Clube Bicolor com nove gols marcados.
Já Ricardo Capanema, tem mais tempo no Paysandu. O volante chegou ao Clube Bicolor em 2012. Antes ele atuou pelo Ananindeua, Castanhal e Cametá. Capanema tem sido um dos principais jogadores do meio de campo do Papão.
Os dois jogadores são os primeiros a renovar contrato para a próxima temporada, além do goleiro Emerson.
(DOL/Pararijos NEWS)

Internautas criticam Jader Barbalho


O mandato discreto do senador Jader Barbalho (PMDB-PA), de muitas ausências e pouca participação nas atividades parlamentares do Congresso Nacional, ganhou ontem ares semelhantes à época em que o peemedebista teve que renunciar a sua cadeira no Senado Federal, em 2002, para escapar de uma cassação, sendo até preso pela Polícia Federal por envolvimento no desvio de verbas da extinta Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam).
Nadando contra a corrente moralista de quase a totalidade dos senadores, Jader ocupou ontem a tribuna do Senado para defender o voto secreto sobre a prisão do colega Delcídio Amaral (PT-MS), que, inclusive, o cita no áudio em que articula a fuga de Nestor Cerveró. “Não precisa nenhum senador ser fiscalizado”, disse peemedebista ao pregar o voto obscuro. “Nenhum senador se sente confortável nessa sessão. Deus poupe o Senado de viver outros episódios como esse”, completou.
A Constituição determina que cabe ao Senado validar a decisão do STF quando se trata de um parlamentar no exercício do mandato. A maioria dos parlamentares defendeu publicamente o voto aberto, diante da gravidade da crise política atual.
Alguns chegaram a se manifestar contra o discurso de Jader Barbalho. “Tenho o direito de abrir o meu voto e o meu eleitor deve conhecer minhas posições. Eu quero que o eleitor saiba como eu voto. Eu quero ser fiscalizado”, argumentou o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), falando diretamente para o senador do PMDB.
O senador Blairo Maggi (PMDB-MT) foi outro que rechaçou a proposta de Barbalho de esconder o voto. “O meu eleitor merece saber o que seu senador decide aqui nessa Casa.”
Reações - No entanto, a maior reação contra a defesa de Jader Barbalho pelo voto fechado para se resolver a prisão de Delcídio Amaral veio da população, por meio das redes sociais. Durante o longo discurso citando o desconforto com a situação, internautas se manifestaram criticando e ironizando o peemedebista.
“@jader_barbalho tenho vergonha de ter esse cara como senador pelo meu estado. Voto secreto é coisa de bandido”, escreveu no Twitter do Senado, Fco de Carvalho (@cstfco), de Ourilândia do Norte.
“Corrupções dele são mais do que provadas”
A maioria dos comentários postados com críticas à defesa que Jader Barbalho fez do voto secreto argumentava que o peemedebista estava preocupado com o risco de ser o próximo político a ser preso.
“@jader_barbalho isso só é verdade para quem tem rabo preso”, escreveu Elizabeth Leal (?@bethlealpg). “@jader_barbalho Ele principalmente.. está defendendo o pp rabo”, disse Elza Edely (?@ElzaEdely). “@jader_barbalho Ele principalmente, que já sabe o conforto da prisão”, ironizou Yuri (?@yuriqrn). “@jader_barbalho Verdade, principalmente aqueles que são alvo de denúncias e delações e percebem que podem ser os próximos”, postou José Roberto (?@jrvwagner) durante o discurso.
Em outros textos no Twitter do Senado, era questionado como o senador paraense ainda tinha espaço na política brasileira. “Cara não entendo como o Jader Barbalho ainda é político. Corrupções dele são mais do que provadas. O Brasil país que ser corrupto é legal”, protestou Felipe Santana (?@felipessan).
Noblat - Jornalistas que cobrem a política brasileira se manifestaram durante o discurso. É o caso do jornalista Ricardo Noblat (@BlogdoNoblat) que postou: “Jader Barbalho é coerente quando se opõe à prisão de um senador. Ele já foi preso. Sabe quanto é duro.” Renata Lo Prete (?@renataloprete), da Globo News, também comentou: “Ao defender o voto secreto, Jader Barbalho diz ter ‘ojeriza pelas palmatórias do mundo1. No wonder.”
Senado dá aval à prisão de Delcídio decretada pelo Supremo
O Senado decidiu ontem, em votação aberta no plenário, manter a ordem de prisão expedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) contra o senador Delcídio do Amaral (PT-MS), líder do governo na Casa. Com isso, o parlamentar petista continuará preso por tempo indeterminado. A manutenção da prisão foi decidida por 59 votos favoráveis, 13 contra e 1 abstenção.
Delcídio foi detido ontem, pela Polícia Federal (PF), acusado de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato. Em uma gravação, ele oferece R$ 50 mil mensais à família de Nestor Cerveró para tentar convencer o ex-diretor da área internacional da Petrobras a não fechar um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF).
Pela Constituição, prisões de parlamentares que estejam no exercício do mandato têm de ser submetidas à análise da casa legislativa a qual ele atua.
Com a decisão do Senado de manter a prisão, Delcídio só poderá ser solto quando o STF entender que ele não mais coloca em risco a investigação e não pode cometer crimes fora da prisão. Agora, a Procuradoria Geral da República terá 15 dias para apresentar ao STF uma denúncia, com acusações formais contra o senador. Delcídio é o primeiro senador em exercício preso desde a Constituição de 1988.
Conexões - A votação ocorreu de forma aberta, com a divulgação do voto de cada parlamentar, conforme decidiu a maioria dos senadores instantes antes. Mais cedo, o plenário do Senado decidiu pela votação aberta. Antes, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), havia defendido que a sessão fosse secreta, mas decidiu submeter a palavra final ao plenário.
Mais - Também foram presos pela PF ontem de manhã o banqueiro André Esteves, do banco BTG Pactual e o chefe de gabinete de Delcídio, Diogo Ferreira. As prisões são preventivas, ou seja, não há data para vencer.
Petista cita peemedebista em conversa
O senador Delcídio do Amaral (PT) foi mais um a citar o nome de Jader Barbalho (PMDB) durante as investigações da operação Lava Jato. Na conversa, gravada por Bernardo Cerveró e entregue aos procuradores, Delcídio sugeriu que poderia acionar o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), para conversar com o ministro do STF Gilmar Mendes para tentar discutir a liberdade do ex-diretor da Petrobras.
Advogado responsável pela defesa de Ceveró, Edson Ribeiro ressalta que considera “preocupante a situação de Renan”, que também é investigado na Lava Jato. Delcídio diz que acha que tem mais coisa sobre o presidente do Senado, que teria sido citado pelo lobista Fernando Soares, o Baiano. Em seguida, o petista indica que Baiano teria falado de Jader Barbalho.
Há cerca de um mês, Baiano entregou o nome de Barbalho como um dos supostos beneficiários de propina referente à contratação de um navio-sonda da Petrobras, ao lado de Delcídio, Renan, e do ex-ministro Silas Rondeau, filiado ao PMDB. O depoimento foi inserido no inquérito em que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), é investigado por receber propina referente à contratação de navios-sonda da Petrobras.
Baiano aponta propina milionária para senador do PMDB
Segundo depoimento de Baiano, houve um acordo entre os quatro políticos do PMDB. O acerto envolvia um pagamento inicial de US$ 4 milhões para os envolvidos. Entretanto, após o encerramento do contrato, o valor final da propina ficou em US$ 6 milhões. O valor teria sido dividido pelo lobista Jorge Luz, paraense que tem ligações estreitas com a família Barbalho.
Luz é apontado como o maior lobista do País e de maior influência dentro da Petrobras. Ganhou esse status após trabalhar para o governo Jader Barbalho, em 1982, e para o seu sucessor, Carlos Santos. Baiano é um discípulo de Jorge Luz e a cada depoimento indica que o paraense é a peça-chave do quebra-cabeça do Petrolão.
No depoimento da delação, Baiano relatou que o acordo teria ocorrido em 2010 e que Eduardo Cunha sabia do pagamento desses valores aos senadores do PMDB. O lobista explicou que Cunha pediu sua ajuda para fazer caixa para a campanha de 2010. A solução encontrada foi cobrar o empresário Julio Camargo. Parte do dinheiro seria destinada a Cunha.
O delator disse a Cunha que Julio Camargo lhe devia US$ 16 milhões, propina referente à compra de dois navios-sonda pela Petrobras. O dinheiro deveria ser repassado pelas empresas Samsung e Mitsui. “Disse a Cunha que teve pagamentos para políticos do PMDB por intermédio de Jorge Luz, referente à primeira sonda; que fez menção ao nome de Renan e do Jader Barbalho, como destinatários de parte dos valores referentes à primeira sonda”, escreveram os investigadores.
A primeira vez que a lama da Lava Jato tomou Jader foi em setembro, no depoimento de Nestor Ceveró. Segundo ele, da propina de US$ 15 milhões referentes à negociação da refinaria de Pasadena, ao menos US$ 2 milhões foram para Jader e de Renan. (Pararijos NEWS)

Horário de bares volta a ser pauta na Câmara

Horário de bares volta a ser pauta na Câmara (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr)
(Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr)
O anteprojeto de lei que pretende reduzir o horário de funcionamento de bares, restaurantes e casas de espetáculos de Belém voltou a ser discutido na Câmara Municipal, nesta quarta-feira (25).
A vereadora Marinor Brito (PSOL) fez duras críticas à ideia. Ao afirmar certeza de que o projeto não seria aprovado na casa, propôs a realização de uma Sessão Especial na próxima segunda-feira (30), com a presença de representantes do Ministério Público e dos diversos setores que fazem parte do segmento.
Nehemias Valentim (PSDB), autor da lei 8.512, promulgada em 2006, sobre o funcionamento dos bares e casas de shows, disse não entender o objetivo de haver outra lei sobre o tema. A legislação em vigor classifica as casas comercias por categorias. Somente estabelecimentos do tipo “A” tem autorização para funcionar até às quatro horas.
Os vereadores questionaram o porquê de o Ministério Público se ocupar de algo que já foi objeto de lei. Fernando Carneiro (PSOL) disse que a Promotoria estava invertendo a responsabilidade sobre a prevenção da violência.
Já o vereador Victor Cunha (PTB) disse não aceitar a “explicação oficial” de que a proposta iria ao encontro dos anseios da sociedade por medidas efetivas para redução da criminalidade. “Quero ver onde foram registrados esses dados. Por que o Ministério público não mostra essa pesquisa?”, instigou.
Segundo o Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Pará (SHRBS-PA) a mudança nos horários de funcionamento dos bares, casas de show e estabelecimentos similares proposto pelo Ministério Público pode afetar cerca de 500 mil trabalhadores formais e informais de toda Região Metropolitana de Belém.
(DOL/Pararijos NEWS com informações da CMB)

Senado decide manter Delcídio na prisão

Ouça diálogo em que Delcídio oferece rota de fuga e dinheiro para silenciar Cerveró
Gravação embasou as prisões do senador do PT e do banqueiro André Esteves.

Votação foi aberta e terminou com 59 senadores a favor da prisão e 13 contra.
Parlamentar do PT foi detido acusado de atrapalhar investigação da Lava Jato. (Pararijos NEWS)