Google+ Badge

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Militares presos em operação da PF são suspeitos

Tráfico de drogas, comércio ilegal de armas, receptação de produtos roubados, coação e 16 homicídios. Estes são os crimes pelos quais estão sendo investigados os doze suspeitos presos na operação “Thanatus”, deflagrada pela Polícia Federal ontem, em Natal e região Metropolitana. Dentre os doze presos, nove são policiais militares.
A operação ‘Thanatus’ foi deflagrada para cumprir 15 mandados de prisão expedidos pela Justiça do RN contra integrantes de um grupo de extermínio que teria cometido 16 homicídios entre os anos de 2011 e 2015 na Grande Natal. De acordo com as investigações, o grupo era composto por 10 PMs e 5 pistoleiros. Um policial militar e dois pistoleiros seguem foragidos.
Segundo a delegada Diana Calazans, da PF, a investigação foi conduzida pela Polícia Federal em virtude da gravidade dos crimes cometidos pelo grupo, que configuram “graves violações aos direitos humanos”. O inquérito também apurou que o grupo praticava diversos outros crimes, como extorsão, comércio ilegal de arma de fogo e  munições, invasão de domicílio e até mesmo crime de tortura.
O inquérito também concluiu que todas as mortes investigadas e atribuídas ao grupo têm características de execução, sendo motivadas por dívidas decorrentes do tráfico de drogas e vingança. “As investigações também apontam que o grupo cobrava altas quantias em dinheiro para realizar os crimes”, completou a delegada.
Ainda de acordo com Calazans, o grupo se aproveitava da condição de alguns integrantes como PMs para cometer os crimes. “Essa organização criminosa se infiltrou na PM e certamente esses criminosos se utilizaram das facilidades oferecidas aos policiais para executar esses crimes”, disse.
A operação contou com a participação de 165 agentes da PF, além de policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e do Batalhão de Choque (BPChoque) da PM do Rio Grande do Norte, além do apoio do Ministério Público Estadual. O termo “Thanatus” vem da mitologia grega e significa a “personificação da morte”. (Pararijos NEWS)