Google+ Badge

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Crime provoca revolta

O corpo de Natasha Suelem Ferreira de Oliveira, de 28 anos, foi velado na igreja Cristo Redentor, na rodovia Mário CovasO corpo de Natasha Suelem Ferreira de Oliveira, de 28 anos, foi velado na igreja Cristo Redentor, na rodovia Mário Covas
A capela mortuária da igreja Cristo Redentor, na rodovia Mário Covas, ficou lotada durante o velório de Natasha Suelem Ferreira de Oliveira, de 28 anos, morta durante tentativa de assalto ocorrida na tarde de anteontem, em frente a uma agência bancária da avenida Pedro Álvares Cabral. A equipe da seccional da Marambaia investiga o crime, mas até o final da manhã de ontem apenas Diego dos Santos havia sido preso. Ele foi atingido na perna durante troca de tiros com a polícia e continua internado no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE).
Muitos jovens foram ao velório de Natasha e se mostraram revoltados com o crime. “Desde quando minha mãe morreu e passei a morar com ela e com minha tia, ela era tudo que eu tinha. Dava conselho, nós saíamos”, disse o primo da vítima, Alef Danilo, de 22 anos, chorando muito. Ele chegou a pedir que Natasha largasse o emprego. “Ela foi contratada para ser vendedora e de uns tempos pra cá passou a fazer esses serviços bancários. Isso é desvio de função e o pior de tudo é que provocou a morte da minha irmã”, acrescentou.
Sidney Correa teve um relacionamento de seis meses com Natasha, mas há duas semanas eles brigaram e se afastaram. O rapaz disse que também achava o trabalho perigoso, pois a namorada fazia procedimentos bancários com muito dinheiro. No dia em que foi morta, a funcionária de uma loja de caramelos depositaria R$ 150 mil. “Eu falava que era perigoso, mas era o emprego que ela tinha”. Sidney falou com Natasha minutos antes do crime. “Ela passou em frente à loja que eu trabalhava e falou comigo. Dez minutos depois um colega de trabalho chegou falando que ela tinha morrido. Até agora não acredito”. (Pararijos NEWS)