Google+ Badge

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Dinheiro: da monarquia para o seu orçamento

Dinheiro: da monarquia para o seu orçamento (Foto: Reprodução )
Criada no século 19 a poupança se tornou o investimento preferido dos brasileiros e tem muitas vantagens. (Foto: Reprodução )
O que um menino de 6 anos nomeado imperador do Brasil e o seu dinheiro teriam em comum? Você pode não saber, mas há uma ligação direta entre os dois. Mas, antes, um pouco de história. Em 1831, Dom Pedro II foi nomeado regente quando era um menino pelo pai, Dom Pedro I, que abdicou do trono. Somente no ano de 1841, em meio a um turbulento conflito interno, político e financeiro, ele foi considerado maior de idade e assumiu a coroa do país. E, em 1861, o imperador criou uma instituição bancária com o objetivo de fazer com que a população de baixa renda pudesse fazer depósitos financeiros. Na época, o investimento tinha juros de 6% ao ano sob a garantia do tesouro do governo. Cada pessoa poderia depositar até 50 mil réis.
E assim nascia a “caderneta de poupança”, como um “local” seguro para que o brasileiro guardasse seu dinheiro. E ainda hoje continua sendo o investimento preferido de quem mora no Brasil. Segundo o Banco Central, de cada 10 brasileiros que guardam dinheiro, 9 investem na poupança. Esse quantitativo populacional que mantém a aplicação já é de 40 milhões de brasileiros. O que eles querem é justamente essa segurança para o suado dinheiro.
A poupança possui alguns benefícios atraentes. É uma aplicação que não exige muito dinheiro para abrir a conta. Na poupança premiada do Banco da Amazônia, por exemplo, você pode aplicar inicialmente R$ 100. A aplicação possui isenção de Imposto de Renda. E, além disso, tem a proteção do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), o que garante segurança para poupadores contra crises financeiras. “A poupança tem outra característica que pode ser considerada uma vantagem: a rentabilidade é definida pelo Banco Central”, explica Márcia Mithie, gerente executiva de Pessoa Física do Banco da Amazônia.
RENTABILIDADE
A rentabilidade da poupança é calculada pela data de aniversário da aplicação. Se você fizer um aporte na sua caderneta de poupança no dia 02/02, esse aporte só sofrerá correção no dia 02/03. Uma boa dica é não sacar fora da data de aniversário da aplicação. Por exemplo, se você iniciou o mês com R$ 1 mil e sacou R$ 400 após 15 dias, a rentabilidade será calculada sobre R$ 600.Mas como são calculados os rendimentos? Os valores depositados são remunerados em 0,5% ao mês. Além disso, há uma correção monetária chamada Taxa Referencial (TR), divulgada pelo Banco Central através de equação financeira a partir de depósitos e retiradas bancárias. Desta média é subtraída a taxa redutora definida pelo órgão.
(Fábio Nóvoa/Diário do Pará/Pararijos NEWS)