Google+ Badge

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Belém recebe encontro de secretários de saúde, educação e direitos humanos


O secretário de Assistência Social e Trabalho do Mato Grosso, Valdiney de Arruda, afirma que o encontro coloca a Amazônia no centro dos debates
Da Redação
Agência Pará de Notícias
Atualizado em 18/11/2015 18:07:00
Articular uma agenda positiva, pautada no desenvolvimento de ações intergovernamentais e intersetoriais para a justiça e progresso social na Amazônia Legal. Este será o principal objetivo do encontro de secretários estaduais de assistência social, saúde, educação, direitos humanos e socioeducação, que ocorre nesta quinta-feira (19), no Palácio do Governo, em Belém.
O encontro é proposto pelos governos do Pará e Mato Grosso, com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), e visa articular propostas que possam enfrentar os grandes desafios sociais da região. A Amazônia, apesar dos avanços verificados nos últimos anos, enfrenta disparidades no desenvolvimento. Para isso, os secretários vão discutir a criação de um fórum voltado ao progresso social da região.
Para o secretário de Assistência Social e Trabalho do Mato Grosso, Valdiney de Arruda, “essa é uma ação inovadora. Nunca se pensou no contexto da Amazônia de construir agendas propositivas visando um progresso social. É um ato simbólico para além do protagonismo, busca mudar paradigmas visando direcionar o desenvolvimento econômico e ambiental no contexto de desenvolvimento social, com base em indicadores a serem monitorados que revelem se está havendo ou não o desenvolvimento econômico”, diz.
Para a secretária extraordinária para a Integração das Políticas Sociais do Pará, Izabela Jatene, em um território como a Amazônia, com tantas peculiaridades, a integração é a chave para enfrentar os desafios. “Para o desenvolvimento sustentável da região não basta o desenvolvimento econômico. Precisamos de um progresso social. O maior beneficiário deste movimento tem que ser o homem. Este encontro, além de um marco histórico, é um grande movimento de protagonismo regional, para que possamos trocar experiências e debater sobre boas práticas, com o intuito de construir uma agenda positiva entre todos os Estados da Amazônia Legal", diz.
O coordenador do Unicef em Belém, Fábio Morais, afirma que a proposta de criação do Fórum Integrado pelo Desenvolvimento Social da Amazônia se constitui em um marco no contexto histórico brasileiro. “Isso se dá na medida em que as pessoas passam ao centro da agenda político-institucional sem que com isso diminua a importância das questões econômicas e ambientais, mas significando que a promoção de direitos dos amazônidas se estabelece enquanto base e princípio frente toda e qualquer prioridade nessa região”, conclui.
Debates – O Encontro dos Secretários de Estados da Amazônia Legal precederá o Encontro de Governadores da Amazônia Legal, que ocorre no dia seguinte e tem como um dos pontos de pauta a assinatura do Termo de Compromisso dos Governadores da Agenda Criança Amazônia, baseado na Agenda pela Infância 2015 – 2018: Desafios e Propostas.
Na ocasião, será apresentado pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) o Índice de Progresso Social (IPS) da região, que mede o desempenho social e ambiental das nações, independente do desenvolvimento econômico. O indicador foi criado em 2013 pela Social Progress Imperative, num processo que teve o apoio de diversos estudiosos e especialistas mundiais em políticas públicas.
A primeira iniciativa de uso do IPS no Brasil foi na Amazônia, com o Imazon, que identificou no índice um meio para avaliar a situação da sociedade amazônica a partir de uma nova visão, diferente das medições feitas por meio do Produto Interno Bruto (PIB) e do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).
O IPS Amazônia usa o mesmo método estatístico do IPS global, mas com uma diferença: adota indicadores que refletem a realidade social do território. No caso da Amazônia brasileira, o índice avalia cada um dos 772 municípios, enfatizando as diferenças sociais e ambientais. A escolha dos indicadores foi baseada na confiabilidade das fontes dos dados, acessibilidade, abrangência e atualização. O cálculo emprega indicadores públicos recentes e relevantes às especificidades dos municípios da Amazônia. O Governo do Pará é o primeiro da região a adotar o IPS como referencial para construção do marco de desenvolvimento estadual.
 (Pararijos NEWS)