Google+ Badge

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Marabá tem quatro mortes e 300 sacrifícios de cães


Marabá tem quatro mortes e 300 sacrifícios de cães (Foto: Divulgação)
Equipes trabalham para a prevenção da doença (Foto: Divulgação)
A campanha para o combate da Leishmaniose continua a todo o vapor em Marabá, sudeste paraense. Apesar da Secretaria de Saúde e a Vigilância Sanitária negar que haja epidemia da doença na cidade, ela informa que o caso é sério.
De acordo com os dados da Secretaria, foram constatados 19 casos em humanos, sendo que quatro pessoas chegaram a óbito. A leishmaniose, ou calazar, é a segunda doença parasitária que mais mata no mundo – apenas a malária é mais mortal.
Os bairros com maior incidência da doença são o Nossa Senhora da Conceição, Coca-Cola e o bairro Araguaia, conhecido como bairro da Fanta, além da Folha 6.
Fernanda Miranda, diretora de Vigilância e Saúde de Marabá, diz que equipes estão trabalhando para controlar a doença. “A leishmaniose está tomando proporções não esperadas. Estamos com uma demanda no Centro de Zoonoses muito grande, não estamos conseguindo fazer o recolhimento dos cachorros no tempo hábil.
Na cidade, foram encontrados cerca 400 animais positivos e em média cerca de 300 já sofreram eutanásia. (Foto: divulgação)
Por isso a ação está sendo realizada, para que os cachorros possam ser levados até a equipe”.
Nesta terça-feira (25), agentes de endemias de saúde estiveram em alguns bairros com o trabalho de educação para educar a comunidade quanto a prevenção da doença para evitar o aumento dos casos. Foram encontrados cerca 400 animais positivos e em média cerca de 300 já sofreram eutanásia, foram sacrificados e tirados de circulação.
(DOL, Pararijos NEWS com informações de Jéssika Ribeiro/Diário do Pará)