Google+ Badge

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Cenário que gerou tragédia do PSM da 14 se repete


Cenário que gerou tragédia do PSM da 14 se repete (Foto: Jader Paes)
Cenário no PSM do Guamá continuava de caos ontem, com pacientes sendo atendidos de forma improvisada (Foto: Jader Paes)
A situação da saúde pública em Belém está, a cada dia, mais dramática. Após o incêndio que matou três pessoas no Pronto-Socorro Municipal Mário Pinotti (PSM da 14), o Hospital Humberto Maradei Pereira (PSM do Guamá) se tornou a referência para quem busca atendimento de urgência e emergência na capital paraense. O problema é que o hospital enfrenta irregularidades semelhantes às do PSM da 14, como rachaduras, falta de equipamentos e, o que é mais grave, instalações elétricas expostas. Além de tudo isso, ainda há o fato que o local está superlotado. 
Tal qual ocorreu na 14 de Março, o PSM do Guamá é agora alvo de alertas para as péssimas condições de trabalho, falta de medicamentos e problemas na estrutura do prédio que podem levar a uma nova tragédia, como a que ocorreu no dia 25 de junho, quando um incêndio obrigou o município a transferir pacientes às pressas. Ontem, o Sindicato dos Trabalhadores em Saúde no Estado do Pará (Sindsaúde/PA) levou um relatório ao Ministério Público Estadual (MPE). 
O documento tem cerca de dez páginas e pede providências das autoridades do Estado para evitar uma nova tragédia. “O prédio possui pontos que, além de infiltrações, apresentam rachaduras, criando uma situação de insegurança para os usuários e para os servidores”, alertou o Sindsaúde.

ALERTA
Assim como no PSM da 14, a unidade do Guamá tem a fiação elétrica improvisada, com riscos visíveis. Também foram encontrados aparelhos de ar condicionado instalados de forma precária e pontos de infiltrações. O documento do sindicato, feito com base em relatos e fotos de trabalhadores do Guamá, alerta para uma “tragédia anunciada”. 
No PSM da 14, peritos do Corpo de Bombeiros Militar do Pará concluíram que o incêndio foi causado por problemas em uma central de ar condicionado. O caso está sendo investigado pelo Ministério Público, por meio da Promotoria Militar e Procuradoria de Justiça, já que havia pareceres do Corpo de Bombeiros que indicavam riscos no prédio. O caso corre sob sigilo de Justiça. 
O comandante geral do Corpo de Bombeiros Nahum Fernandes já prestou depoimento e o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho também está intimado a depor. Ele pode ser processado por homicídio culposo (por assumir a responsabilidade de manter o prédio funcionando mesmo tendo sido alertado dos riscos). A pena nesses casos pode chegar a 20 anos de prisão.
No documento entregue ao MPE, os trabalhadores afirmam que a situação do PSM do Guamá expõe o “descaso com a saúde pública” e denunciam “as más condições de trabalho que vêm sofrendo e presenciando diuturnamente”. Os servidores pedem medidas interventivas à Secretaria Municipal de Saúde (Sesma). “Por estarem em contato direto com os usuários do PSM do Guamá os servidores sofrem com ameaças e intimidações por partes daqueles, parentes e acompanhantes, motivados pelas péssimas condições de trabalho e falta de estrutura”, afirmam, no relatório.

IRREGULARIDADES ENCONTRADAS NO RELATÓRIO DO SINDICATO 

Pontos de infiltrações e rachaduras.
Instalações elétricas expostas.
Ar-condicionado instalado de forma improvisada (precárias).
Acompanhantes dormindo sobre colchonetes no chão dos corredores e embaixo das macas.
Pacientes “internados” nos corredores e em área externa.
As aplicações de soro e hemoderivados são realizadas no corredor.
Sala de hidratação usada como ala de internação, acolhendo pacientes com maior gravidade, pacientes estes com indicação para UTI’s(Unidade de Tratamento Intensivo) e UR (Unidade de Reanimação), consequentemente, elevando o risco de morte.
Na Unidade de Reanimação não há bomba de infusão de medicamentos, dificultando a administração medicamentosa em pacientes de alta complexidade.
EXIGÊNCIAS DOS TRABALHADORES
Lavatório exclusivo e adequado para higiene das mãos.
Avaliação médica periódica.
Fornecimento de materiais de trabalho esterilizado.
Recipiente adequado para lixos biológicos
Uniformes adequados.
Vestiário para higiene pessoal dos funcionários.
Manutenção de máquinas e equipamentos.
Iluminação adequada, entre outras reivindicações no que tange a segurança do trabalho dos servidores em saúde.
(Rita Soares/Pararijos NEWS/Diário do Pará)