Google+ Badge

domingo, 9 de novembro de 2014

Novembro azul chama atenção à próstata

DIAGNÓSTICO - Serviço de Urologia do HOL diz que o câncer na glândula é o mais frequente no hospital
Após o Outubro Rosa, mês dedicado ao combate ao câncer de mama, a Campanha Novembro Azul destaca a importância do diagnóstico precoce do câncer de próstata. A iniciativa do Instituto Lado a Lado pela Vida, em parceria com a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), antecipa as ações pelo Dia Nacional de Combate ao Câncer de Próstata, 17 de novembro, e tem apoio de várias instituições e empresas para a conscientização sobre o câncer de próstata. De acordo com a SBU, o de próstata é o segundo tipo de câncer mais frequente em homens no Brasil, após o de pele. No Pará, a Coordenação Estadual de Oncologia da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) informa que a doença perde somente para o câncer de estômago.
O objetivo da campanha Novembro Azul é estimular o diagnóstico precoce do câncer de próstata, por meio da avaliação urológica, a fim de controlar o avanço da doença. “Os homens são mais resistentes à ideia de ir regularmente ao médico e cuidar melhor da saúde. Deste modo, acabam descobrindo a doença em estágio já avançado”, diz a presidente do Instituto Lado a Lado pela Vida, Marlene Oliveira. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a estimativa é de 68.800 novos casos da doença no Brasil em 2014, ou seja, um caso é descoberto a cada 7,6 minutos. No Pará, estima-se mil novos casos, 330 dos quais somente em Belém.
A próstata é uma glândula do sistema reprodutor masculino, que pesa cerca de 20 gramas e se parece com uma castanha. Abaixo da bexiga, sua principal função, assim como as vesículas seminais, é produzir o esperma. O câncer de próstata ocorre, basicamente, quando as células deste órgão começam a se multiplicar de forma desordenada. Em sua fase inicial, a doença não apresenta sintomas, que demoram a aparecer. Com o desenvolvimento do câncer, os principais sintomas são alterações nos hábitos urinários, como dores ao urinar e aparecimento de sangue na urina e/ou sêmen. Os exames preventivos devem ser constantes para evitar o estágio avançado e potencialmente fatal da doença, pois quando alguns sinais começam a aparecer cerca de 95% dos tumores já estão em fase avançada, dificultando a cura. O Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) aponta 1.319 mortes por câncer de próstata no Pará, no período de 2009 a 2013.
Para evitar as complicações com o desenvolvimento da doença, é recomendável que homens a partir de 45 anos com fatores de risco, ou 50 anos sem esses fatores, devem ir anualmente ao urologista para fazer o exame retal, além do exame de sangue PSA (antígeno prostático específico). Já os pacientes maiores de 60 anos, a cada seis meses. O exame retal, conhecido como ‘toque’, permite ao médico avaliar alterações da glândula, como endurecimento e presença de nódulos suspeitos. “Já que, depois do aparecimento dos sintomas, mais de 95% dos casos de câncer de próstata já se encontram em fase avançada, é importante o exame regular através do toque retal e do PSA periodicamente”, afirma o presidente da SBU, Carlos Corradi Fonseca.
PROCURA
A Sespa aconselha os pacientes a procurarem atendimento urológico, desde o diagnóstico até as cirurgias mais complexas, nos hospitais públicos, conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS) e habilitados para oncologia. São eles: Hospital Ophir Loyola (HOL), referência no Pará; Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA) e a Unidade de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) do Barros Barreto (HUJBB). A Sespa informa, ainda, que, este ano, serão entregues mais dois serviços: a Unacon de Tucuruí e o Centro Oncológico do Hospital Pediátrico Ophir Loyola.
O Serviço de Urologia do Hospital Ophir Loyola, referência no estado, aponta que, dos cânceres mais frequentes registrados, o de próstata ocupa a primeira posição. Entre 2009 e 2013, o hospital atendeu 1.590 pacientes com a doença. Em 2014, até o mês de setembro, já foram registrados 213 novos diagnósticos, sendo que, no ano passado, o número o registro foi de 289 casos. O médico proctologista e chefe do Serviço de Urologia do HOL, Dr. Ricardo Tuma, explica que o número de novos casos pode ser decorrência do aumento da procura pelo atendimento. “É importante que façamos o maior número de exames para detectar a doença precocemente, pois o câncer de próstata é silencioso e deve ser prevenido junto ao médico. Não há caminho melhor”, recomenda.
Tuma comenta, também, que o desconforto com o exame retal tem diminuído devido ao maior acesso à informação sobre a doença, embora alguns pacientes ainda fiquem inseguros na hora de se consultar. “Eu observo que, antes, os pacientes resistiam muito mais. Hoje, com o avanço das informações, a presença de filmes, novelas, que falam de forma mais natural sobre o câncer de próstata, têm ajudado a quebrar esse tabu”, avalia. Ele garante que o exame de toque retal é rápido, levando de 10 a 15 segundos, e capaz de obter resultados eficazes na detecção do câncer de próstata.
SINTOMAS
Conheça os sinais
Dor Óssea
Dor ao urinar
Vontade de urinar com frequência
Presença de sangue na urina e/ou no sêmen
Fatores de risco
Idade (cerca de 62% dos casos são de homens a partir dos 65 anos)
Histórico familiar de câncer de próstata: pai, irmão e tio
Raça: homens negros sofrem maior incidência
Obesidade
Alimentação inadequada, à base de gordura animal e deficiente em frutas, verduras, legumes e grãos
Sedentarismo
Fumo

O Liberal