Google+ Badge

sábado, 22 de novembro de 2014

Doença de chagas atinge 11 municípios

Em quatro dias, Belém tem mais um novo caso de doença de Chagas aguda (DCA) ocorrido no bairro do Tenoné e confirmado pela Secretaria Municipal de Saúde (Sesma), ontem. Até o último dia 17, eram 10 casos. Além dos 11 casos confirmados, 12 aguardam resultado do exame feito pelo Laboratório de Chagas, do Instituto Evandro Chagas (IEC), em Belém. Dos 11 casos confirmados, dois necessitaram de internação, “mas ambos os pacientes já receberam alta médica e estão em acompanhamento ambulatorial”, afirma a Sesma, em nota, enviada pela Assessoria de Comunicação da Secretaria.
Ainda na última segunda-feira, 17, o Laboratório de Chagas do IEC confirmou o diagnóstico de 64 casos de DCA distribuídos nos municípios de Abaetetuba, Acará, Barcarena, Belém, Capanema, Curralinho, Limoeiro do Ajuru, Moju, Muaná, Ponta de Pedras, São Domingos do Capim, São Sebastião da Boa Vista e Tomé Açu.
Segundo a assessoria de comunicação da Sesma, o surto da doença é  investigado. “Uma equipe da Divisão de Vigilância Epidemiológica da Secretaria (DEV) foi até as residências das pessoas contaminadas para realizar investigação e coletar amostra para exame de outros casos suspeitos na área”.
Ainda de acordo com a nota, os pacientes relataram aos agentes da Sesma que ingeriram açaí de dois pontos de venda da área. “Por isso, uma equipe do Departamento de Vigilância Sanitária do Município (Devisa) realizou inspeção nos pontos de venda de açaí que são apontados como prováveis veículos de contaminação”.
Além disso, o Devisa intimou os proprietários a cumprir as normas sanitárias e as boas práticas de manipulação de alimentos, que incluem a adequação do ponto de venda, a realização da técnica de branqueamento do fruto e o uso de equipamentos de higiene.
“O branqueamento do açaí é um processo térmico que consiste em aquecer a água de boa qualidade a 80° C, e, com auxílio de um cesto ou balde vazado, mergulhar o açaí na água durante dez segundos. O processo elimina e/ou diminui em níveis aceitáveis microorganismos patogênicos, causadores de diversas doenças, como a Doença de Chagas”, explica a Sesma. Segundo a Sesma, foram também coletadas amostras do açaí e encaminhadas amostras para Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio.
Formas de transmissão são variáveis
A DCA é uma doença de caráter benigno e, quando identificada e tratada precocemente, tem amplas chances de cura e controle. A doença é transmitida por insetos triatomíneos conhecidos como “barbeiros”, que no seu intestino abrigam um protozoário denominado Trypanosoma cruzi. Este quando eliminado junto com as fezes dos insetos, em contato com a pele pode contaminar o homem. Os reservatórios do protozoário são pelo menos 100 espécies de mamíferos silvestres como tatus, ratos e gambás. Os frutos do açaí também são contaminados pelo protozoário.
Amazônia
Jornal